Clique aqui para exibir SEUS banners nesta página e pague apenas pelo sucesso

Notícias

Infecções por COVID-19 na África em declínio consistente

Escrito por editor

As infecções caíram de mais de 308,000 casos semanais no início do ano para menos de 20,000 na semana que terminou em 10 de abril. Cerca de 18,000 casos e 239 mortes foram registrados na semana passada, representando declínios respectivos de 29% e 37% em relação à semana anterior.

Declínio recorde, sem ressurgimento

Esse baixo nível de infecção não é observado desde abril de 2020, disse a OMS. O declínio mais longo anterior foi entre 1º de agosto e 10 de outubro do ano passado.

Além disso, nenhum país africano está atualmente testemunhando o ressurgimento do COVID-19, que é quando houve um aumento de 20% nos casos por pelo menos duas semanas consecutivas, e o aumento semanal é 30% acima do recorde semanal anterior. pico de infecção.

Mantenha o curso

Apesar da diminuição das infecções, é crucial que os países permaneçam vigilantes contra a COVID-19, disse o Director Regional da OMS para África, Dr. Matshidiso Moeti.

As nações também devem manter medidas de vigilância, inclusive para detectar rapidamente variantes de vírus, aprimorar os testes e ampliar a vacinação.

“Com o vírus ainda circulando, o risco de surgirem novas variantes potencialmente mais mortais permanece, e as medidas de controle da pandemia são fundamentais para uma resposta eficaz a um aumento nas infecções”, disse ela.

Aviso de estação fria

A OMS também alertou para o alto risco de outra onda de infecções à medida que a estação fria se aproxima no hemisfério sul, de junho a agosto.

Ondas pandêmicas anteriores na África coincidiram com temperaturas mais baixas, com as pessoas permanecendo principalmente em ambientes fechados e muitas vezes em espaços mal ventilados.

Novas variantes também podem ter impacto na evolução da pandemia, agora em seu terceiro ano.

Recentemente, novas sub-linhagens da variante Omicron foram detectadas em Botsuana e África do Sul. Especialistas nesses países estão realizando mais pesquisas para determinar se eles são mais infecciosos ou virulentos.

As variantes, conhecidas como BA.4 e BA.5, também foram confirmadas na Bélgica, Dinamarca, Alemanha e Reino Unido. A OMS disse que até agora não há “diferença epidemiológica significativa” entre eles e outras sub-linhagens conhecidas da Omicron.

Pese os riscos

À medida que as infecções diminuem na África, vários países começaram a aliviar as principais medidas do COVID-19, como vigilância e quarentena, bem como medidas de saúde pública, incluindo uso de máscaras e proibição de reuniões em massa.

A OMS está pedindo aos governos que avaliem os riscos e benefícios de relaxar essas medidas, levando em consideração a capacidade de seus sistemas de saúde, a imunidade da população ao COVID-19 e as prioridades socioeconômicas nacionais.

A agência aconselhou ainda que os sistemas devem estar em vigor para restabelecer rapidamente as medidas caso a situação piore.

Notícias relacionadas

Sobre o autor

editor

A editora-chefe da eTurboNew é Linda Hohnholz. Ela está sediada na sede da eTN em Honolulu, Havaí.

Deixe um comentário

Compartilhar com...