Notícias do Governo

Urgente não editado: Departamento de Estado dos EUA sobre a ameaça Ucrânia Rússia e ataque aos Emirados Árabes Unidos

departamento-de-estado-logo2
Escrito por Juergen T Steinmetz

Devido à gravidade de um possível ataque russo à Ucrânia, eTurboNews está fornecendo uma transcrição bruta da conferência de imprensa recém-concluída no Departamento de Estado dos EUA

Coletiva de imprensa do Departamento de Estado dos EUA, segunda-feira, 24 de janeiro de 2022,
Versão bruta não editada

Ned Price, porta-voz do departamento

Washington DC, 2h39 EST de 24 de janeiro de 2022

MR PREÇO: Boa tarde. Feliz segunda-feira. Bom ver todos. Basta um item no topo e depois tiramos suas dúvidas.

Os Estados Unidos condenam o ataque noturno dos houthis aos Emirados Árabes Unidos e à Arábia Saudita, que resultou em ferimentos civis na Arábia Saudita e segue uma incursão houthi semelhante na semana passada que matou três civis em Abu Dhabi. Reafirmamos nosso compromisso de ajudar a fortalecer a defesa de nossos parceiros sauditas e emirados.

A reunião global de viagens World Travel Market London está de volta! E você está convidado. Esta é a sua chance de se conectar com outros profissionais do setor, fazer networking peer-to-peer, aprender insights valiosos e alcançar o sucesso nos negócios em apenas 3 dias! Registre-se para garantir seu lugar hoje! acontecerá de 7 a 9 de novembro de 2022. Registe-se agora!

Esses ataques aos Emirados Árabes Unidos e à Arábia Saudita, bem como os recentes ataques aéreos no Iêmen que mataram civis, representam uma escalada preocupante que só agrava o sofrimento do povo iemenita.

Apelamos a todas as partes em conflito para que se comprometam com um cessar-fogo, cumpram suas obrigações sob o Direito Internacional Humanitário, incluindo aquelas relacionadas à proteção de todos os civis, e participem plenamente de um processo de paz inclusivo liderado pela ONU.

O povo iemenita precisa urgentemente de uma solução diplomática para o conflito, uma solução diplomática que melhore suas vidas e permita que eles determinem coletivamente seu próprio futuro.

Com isso, fico feliz em responder às suas perguntas. Sim? Bem, vou começar lá atrás, como prometi. Por favor.

QUESTÃO: (Inaudível) sobre esta questão, então –

MR PREÇO: OK. Excelente.

QUESTÃO: Fique comigo por favor. O ataque dos houthis de hoje aos Emirados Árabes Unidos é o décimo terceiro nos últimos 10 dias. Portanto, esses ataques foram acelerados ultimamente. Vamos ver agora a mesma aceleração no processo de consideração por parte de Biden – pelo governo para alistar os houthis no ataque terrorista?

MR PREÇO: Para – desculpe, eu –

QUESTÃO: Para alistá-los de volta no ataque terrorista?

MR PREÇO: Ah, para listá-los.

QUESTÃO: Então, essa aceleração resultaria na mesma aceleração no processo de consideração que foi cuidado pelo governo Biden para colocá-los de volta no ataque terrorista?

MR PREÇO: Então, sua pergunta é sobre o status dos Houthis e uma possível redesignação. Bem, como você sabe, o presidente falou com isso na semana passada quando falou à nação em sua entrevista coletiva na quarta-feira passada. Ele disse que a questão da redesignação, potencial redesignação de Ansarallah, o nome do movimento Houthi, está sendo considerada. Portanto, não estou em posição de discutir quaisquer passos potenciais que possam ser considerados.

Aqui está o que eu vou dizer, no entanto. Continuaremos a trabalhar com nossos parceiros na região, incluindo Arábia Saudita e Emirados Árabes Unidos, para ajudá-los a se defender desses deploráveis ​​ataques houthis. Como os últimos dados que vi indicavam, com a ajuda dos Estados Unidos, o Reino da Arábia Saudita conseguiu impedir cerca de 90% desses ataques vindos do Iêmen, dos houthis. É claro que nosso objetivo, nosso objetivo coletivo, será chegar a 100 por cento. Mas ainda estamos – continuaremos a apoiar nossos parceiros nisso.

Também continuamos, e continuamos, a responsabilizar os líderes houthis por essa conduta repreensível. Emitimos sanções a líderes-chave e designações a líderes-chave nos últimos meses. E continuaremos apelando a todas as ferramentas apropriadas em nosso kit de ferramentas para responsabilizar esses houthis, os líderes houthis responsáveis ​​por esses ataques. Não cederemos em designar líderes e entidades houthis envolvidos em ofensivas militares que ameaçam civis e a estabilidade regional, perpetuando o conflito, cometendo abusos de direitos humanos ou violando o direito internacional humanitário, ou exacerbando a gravíssima crise humanitária – de acordo com a maioria dos relatos , é a mais profunda crise humanitária na face da Terra.

Mas esta é uma consideração complexa, e falamos sobre isso nos primeiros dias do governo, há cerca de um ano, quando falamos sobre a decisão inicial em relação aos houthis, porque ao tomar essa decisão e ao chegar a essa decisão original, ouvimos várias partes interessadas. Ouvimos avisos da ONU. Ouvimos as preocupações de grupos humanitários. Ouvimos os membros bipartidários do Congresso que se opunham à decisão do último governo de designar os houthis como uma organização terrorista estrangeira, então um STDT porque, principalmente, essa determinação geral poderia ter um impacto em nossa capacidade de fornecer e fornecer ajuda humanitária aos cidadãos do Iémen.

Também pode afetar o acesso a produtos básicos como alimentos e combustível. E assim ouvimos essas preocupações em alto e bom som, e sabemos que cerca de 90% dos produtos essenciais no Iêmen são importados por empresas privadas. E com muita cautela, os fornecedores desses fornecedores e instituições financeiras podem interromper essa atividade, o que é importante para as necessidades humanitárias do povo iemenita.

Então, ouvimos essas preocupações em alto e bom som. Estamos analisando atentamente a resposta apropriada, mas o que continuaremos a fazer, sem dúvida, é apoiar os Emirados Árabes Unidos, apoiar a Arábia Saudita e responsabilizar os líderes houthis responsáveis ​​por esses ataques terroristas.

QUESTÃO: Sim, Ned, apenas um acompanhamento, mais dois pontos sobre esta questão: os EUA também já disseram em declarações anteriores – do Departamento de Estado, acredito, e da Casa Branca – que apoiariam os Emirados Árabes Unidos na defesa de seus territórios. Então, como esse apoio vai se desdobrar em termos práticos? Isso é um. Segundo, os EUA vão ajudar a proibir o fluxo de armas e apoio financeiro aos houthis, dado o fato de que eles são apoiados e apoiados pelo Irã?

MR PREÇO: Então, para sua primeira pergunta, trabalhamos extensivamente com nossos parceiros dos Emirados, assim como fazemos com nossos parceiros sauditas, para fornecer a eles o que eles precisam para ajudar a se defender contra esses tipos de ataques. Continuaremos a fazer isso. Continuaremos a trabalhar com eles de diferentes maneiras para ajudá-los a se fortalecerem contra esses ataques.

E sua segunda pergunta sobre...

QUESTÃO: Sim. Os EUA vão ajudar a proibir o fluxo de armas e apoio financeiro aos houthis, dado que eles são apoiados pelo Irã?

MR PREÇO: Absolutamente. E temos trabalhado muito nisso, não apenas neste governo, mas em sucessivas administrações. Você ouviu nossos parceiros do Departamento de Defesa falarem sobre apreensões no mar, por exemplo, de armas que foram destinadas ao Iêmen e aos houthis. Vocês nos viram destacar o nível de apoio que o Irã e os grupos apoiados pelo Irã estão fornecendo aos houthis. Você nos ouviu falar sobre o papel desestabilizador que o Irã e seus representantes estão desempenhando em toda a região, e isso certamente inclui o Iêmen, e isso certamente inclui o apoio do Irã ao movimento Houthi no Iêmen.

QUESTÃO: A questão é: você vai parar o fluxo de armas fisicamente? Quero dizer, você está indo (inaudível) a força das armas? Quer dizer, acho que essa é a premissa da pergunta.

MR PREÇO: Bem, e minha resposta para isso foi sim, vamos continuar a fazer tudo o que pudermos para parar o fluxo de armas, de assistência, de...

QUESTÃO: Então provavelmente veremos, tipo, ataques aéreos americanos para parar o fluxo de armas?

MR PREÇO: Eu sinto Muito?

QUESTÃO: Provavelmente veremos ataques destinados a interromper o fluxo de armas das forças americanas?

MR PREÇO: Você viu uma ação consistente por parte deste governo e de governos anteriores para interromper o fluxo de armas, interromper o fluxo de suprimentos para os houthis, e isso certamente inclui o que os iranianos forneceram.

Humeyra.

QUESTÃO: Ned, na Rússia. Então vai haver –

QUESTÃO: (Fora do microfone.)

QUESTÃO: — uma ligação com os europeus sobre (inaudível) —

MR PREÇO: Bem, desculpe, vamos fechar – vamos fechar o Iêmen, e então iremos para a Rússia.

QUESTÃO: Ok.

QUESTÃO: Os houthis alegaram que estavam alvejando a base aérea dos EUA nos Emirados Árabes Unidos ontem, e os militares dos EUA disseram que dispararam Patriots que interceptaram seus mísseis. Haverá alguma reação dos EUA aos houthis e, especialmente, que eles estão atacando as forças dos EUA nos Emirados Árabes Unidos?

MR PREÇO: Continuaremos a responsabilizar os houthis por esses ataques terroristas. Faremos isso de maneiras diferentes. Já usamos várias ferramentas, e suspeito que você nos verá continuar a fazer isso nos próximos dias e semanas.

Iêmen, ainda?

QUESTÃO: Mais uma no Iêmen.

MR PREÇO: Certo.

QUESTÃO: Os EUA chegaram a alguma conclusão diferente sobre qual seria o impacto na entrega de ajuda com uma designação? E se não, por que entreter a ideia?

MR PREÇO: Bem, estamos nos envolvendo com alguns desses mesmos stakeholders que mencionei antes para continuar a ouvir seus pontos de vista, para obter suas perspectivas. Certamente algumas das preocupações que ouvimos há um ano ainda se aplicariam. A questão é se podemos – se uma redesignação seria para – seria do interesse dos Estados Unidos, seria do nosso interesse de segurança, seria do interesse de segurança de nossos parceiros na região e seria do interesse temos ao ver o fim do conflito e da emergência humanitária no Iêmen.

Então foi difícil – é um conjunto difícil de fatores que estamos pesando, mas como o presidente disse, estamos considerando – estamos considerando a decisão.

Mais alguma coisa no Iêmen? Humeyra.

QUESTÃO: OK. Leva dois. Sobre a Rússia, haverá um telefonema com os europeus esta tarde com o presidente Biden. Eu estava pensando – isso também foi perguntado no briefing da Casa Branca, mas se você pudesse esclarecer um pouco o que o governo espera alcançar por meio dessa ligação. E ouvimos o presidente Biden na semana passada reconhecer publicamente as rachaduras dentro da Aliança da OTAN, bem como com os europeus sobre como – como exatamente responder. Houve alguma melhora desde então com os europeus? Você está mais perto de estar na mesma página? E há alguma razão para esperarmos que, após esta ligação, você esteja mais na mesma página sobre como responder a uma pequena incursão ou grande incursão, seja ela qual for?

MR PREÇO: OK. Humeyra, como você sabe, estivemos na Europa na semana passada. Estávamos em Kiev. Seguimos então para Berlim, onde, além do encontro com nossos aliados alemães, o secretário teve a oportunidade de se reunir com o chamado Quad europeu. Antes disso, estivemos na Europa no mês anterior, onde tivemos a oportunidade de nos reunir com nossos aliados da OTAN, com a OSCE. Nas semanas seguintes, o Secretário, o Vice-Secretário, o Subsecretário de Estado para Assuntos Políticos, para não mencionar o Presidente e o Conselheiro de Segurança Nacional e muitos outros estiveram constantemente ao telefone com aliados e parceiros para discutir esta agressão russa e o resposta.

E quero discordar da premissa de sua pergunta porque em todos esses compromissos – os compromissos pessoais, as conversas, as videoconferências – em cada um desses compromissos, ouvimos e você, por sua vez, ouviu não apenas de nós, mas de nossos aliados e parceiros europeus, aliados individuais, da OTAN, da OSCE, do G7, da União Européia, do Conselho Europeu – você ouviu a mesma mensagem: se alguma força russa atravessar a fronteira, isso é um renovado invasão; será recebido com uma resposta rápida, severa e unida por parte dos Estados Unidos e por parte de nossos aliados.

Portanto, não há ambiguidade sobre isso. Não há ambiguidade. Não há luz do dia. Nós sabemos isso. E o mais importante, a Federação Russa sabe disso.

QUESTÃO: Direito. Então o – ok, obrigado. Há um pouco de luz do dia, mas não vou entreter isso por muito tempo. Eu estava – eu estou pensando, você pode lançar um pouco de luz sobre o que vocês querem alcançar com esta reunião em particular? E então eu vou passar para o não-papel.

MR PREÇO: Bem, deixe-me voltar ao seu comentário irreverente – e talvez fosse apenas para ser um comentário irreverente, mas não pude resistir.

QUESTÃO: Não, é só que, quer dizer, o presidente disse que há diferenças de opinião, e isso tem sido algo que estamos vivenciando. Temos visto o que...

MR PREÇO: O que você ouviu do presidente, o que você ouviu do secretário, o que você ouviu do conselheiro de segurança nacional, o que você ouviu de outros é que, no caso de uma agressão russa contra a Ucrânia, haverá uma resposta. Será rápido; será grave. No caso de uma incursão, será sem precedentes em termos dos passos que estamos preparados para tomar.

E você pode dizer que há luz do dia, mas espero que você também dê uma olhada e ouça as declarações que emanam das capitais europeias, as declarações que emanam da OTAN, da OSCE, do G7, da Comissão Europeia, dos Estados Unidos, de nossos aliados ao lado do secretário Blinken, seja o ministro das Relações Exteriores Baerbock, seja outros aliados e parceiros com quem nos encontramos nas últimas semanas e nos últimos dois meses.

Assim, pode-se afirmar que há luz do dia; mas certamente, se você der uma olhada no volume e no material que está proeminentemente no registro público, acho que isso desmentiria essa afirmação.

QUESTÃO: Vocês vão enviar este não-papel, tipo, esta semana? Você pode falar um pouco sobre os aspectos técnicos disso, o que isso implicaria?

MR PREÇO: Então, como o secretário disse na sexta-feira, esperamos estar em condições de enviar uma resposta por escrito esta semana. Antes de fazermos isso, e o que estamos fazendo agora - e isso chega à sua pergunta anterior sobre o envolvimento com nossos aliados e parceiros europeus - o que temos feito, como você sabe e como você viu, é coordenação constante e consulta com os nossos aliados e parceiros do outro lado do Atlântico.

Estamos fazendo isso em termos da resposta sem precedentes, rápida, forte, severa e unida que a Rússia suportaria no caso de mais agressão, mas também estamos fazendo isso no contexto da resposta por escrito que forneceremos para a Federação Russa, assim como estamos fazendo em resposta ao que temos dito sobre áreas onde pode haver potencial para progresso em etapas recíprocas que possam aumentar nossa segurança coletiva. E por segurança coletiva, quero dizer a segurança da comunidade transatlântica, mas também potencialmente abordar algumas das preocupações que a Rússia apresentou.

Assim, enquanto consideramos o próximo passo em nosso compromisso – e isso é, de fato, o fornecimento de uma resposta por escrito à Federação Russa – estamos compartilhando essas ideias com nossos – e compartilhamos essas ideias com nossos aliados e parceiros europeus. Estamos recebendo o feedback deles. Estamos incorporando esse feedback na resposta escrita. E quando estivermos preparados para transmiti-lo, nós o faremos. Espero que seja esta semana.

Francis.

QUESTÃO: Ned, então você disse que não há luz do dia na resposta, e veremos isso. Mas há claramente – e é público lá fora – luz do dia sobre a caracterização da ameaça. Os europeus, franceses e outros, Sr. Borrell, parecem estar bastante aborrecidos com o tom alarmante em Washington sobre uma ameaça iminente, e eles estão - eles estão dizendo que não temos que ter um colapso nervoso, temos para se acalmar, e não vemos essa ameaça tão iminente como os EUA dizem. Você ainda diz que há – há uma ameaça iminente de invasão? Por que há essa diferença entre você e os europeus?

MR PREÇO: Francesco, não vemos a diferença a que você se refere.

QUESTÃO: Eles estão dizendo isso. Eles estão dizendo publicamente que o...

MR PREÇO: O que vemos e o que você pode ver também são as declarações. E as declarações – a declaração que, por exemplo, veio da Comissão Europeia que disse em linguagem surpreendentemente semelhante, se não – se não idêntica à declaração que emanou do G7 na OTAN sobre as consequências que recairiam sobre a Federação Russa no caso de tal agressão contra a Ucrânia. Tem – não foram os Estados Unidos sozinhos fazendo este caso. Temos falado em coro com nossos aliados e parceiros europeus, com instituições e organismos multilaterais como a OTAN, a OSCE e o G7. E, novamente, se você der uma olhada na linguagem – e você não ficará surpreso ao saber que isso não foi intencional – você verá uma linguagem surpreendentemente semelhante em nossos aliados e parceiros e nessas instituições multilaterais.

Quando se trata do que os russos planejaram, fica claro como o dia que qualquer um pode ver o acúmulo maciço de forças russas ao longo das fronteiras da Ucrânia. Temos sido muito claros sobre nossas preocupações quando se trata de outras formas de agressão e provocações que os russos podem tentar fazer e já fizeram. Mas há apenas uma pessoa que sabe o que a Federação Russa tem reservado para a Ucrânia, e essa pessoa é Vladimir Putin.

Nosso objetivo tem sido dissuadir e nos defender contra tais planos, assim como estamos prontos para continuar no caminho da diplomacia e do diálogo. Vocês nos viram continuar nesse caminho de diplomacia e diálogo de maneira sincera e firme nas últimas semanas. A viagem da Secretária a Genebra, em última análise, na semana passada, foi apenas o último passo nesse processo que também envolveu a Vice-Secretária nas suas reuniões com a Federação Russa no Diálogo de Estabilidade Estratégica, as reuniões no Conselho OTAN-Rússia, o envolvimento no contexto da OSCE, e outros aliados também têm engajado a Federação Russa para este fim.

Então, para ser muito claro, estamos preparados para continuar nesse caminho. Este caminho só pode ser bem sucedido se ocorrer no contexto de desescalada. Mas só porque estamos prontos e engajados no processo e caminho da diplomacia e do diálogo não significa que não estejamos nos preparando com defesa e dissuasão. Estamos fazendo as duas coisas ao mesmo tempo precisamente porque estamos prontos para qualquer escolha que Vladimir Putin faça.

QUESTÃO: E você considera que há uma ameaça iminente de ataque, que o ataque pode ser iminente, imediato, como os europeus dizem que você está dizendo a eles, de acordo com sua inteligência?

MR PREÇO: Bem, temos sido claros sobre isso em vários locais, inclusive no aviso consular que emitimos ontem à noite. A ameaça que estamos vendo é clara não apenas para nós, mas também para qualquer observador casual, dado o que está acontecendo ao longo das fronteiras da Ucrânia, o que está acontecendo dentro do que deveria ser território soberano da Bielorrússia, é motivo de grande preocupação. E assim estamos tomando medidas prudentes. Nós, é claro, estamos compartilhando informações e inteligência com nossos aliados que falam de nossa preocupação e também falam do fato de que os russos certamente parecem estar preparados para empreender ações agressivas contra a Ucrânia a qualquer momento.

QUESTÃO: Mas para acompanhar o ponto de Francesco -

QUESTÃO: E apenas um último. Devemos esperar um novo encontro ou encontro ou encontro virtual entre o secretário e o chanceler Lavrov após a recente resposta?

MR PREÇO: Bem, você teve notícias do Ministro das Relações Exteriores na semana passada. Você também ouviu do secretário na semana passada que forneceremos uma resposta por escrito. Estamos abertos a compromissos adicionais, compromissos pessoais, se for - se for útil se acharmos que pode ser construtivo, se acharmos que deve ser o próximo elemento à medida que seguimos o caminho do diálogo e da diplomacia. Então estamos abertos a isso.

Rosilândia.

QUESTÃO: Seguindo as perguntas de Francesco, há alguns minutos o porta-voz do Pentágono disse, e estou citando aqui, que se a OTAN deve ativar a NRF, todos disseram que o número de forças que o secretário Sr. cerca de 8,500 funcionários. Nesse sentido, o ex-embaixador dos EUA na Ucrânia, John Herbst, disse à NPR esta manhã que achava que qualquer conversa sobre o envio de forças dos EUA como um impedimento adicional deveria ter sido feita antes. Por que neste fim de semana o governo Biden está decidindo colocar as forças dos EUA em uma posição avançada como parte da OTAN para basicamente enviar uma mensagem a Vladimir Putin?

MR PREÇO: Bem, deixe-me fazer alguns pontos. Em primeiro lugar, vou ceder ao meu colega e ao meu antecessor para falar sobre os planos em que o Pentágono está a trabalhar, mas o Presidente foi muito claro sobre as consequências que recairiam sobre a Federação Russa se a Rússia avançasse com mais agressão contra a Ucrânia. Falamos das consequências econômicas e financeiras que a Rússia sofreria e que, em muitos aspectos, seriam sem precedentes, medidas que optamos muito claramente por não tomar após 2014. Falamos dos níveis adicionais de assistência de segurança defensiva que estaria preparado para fornecer aos nossos parceiros ucranianos, acima e além dos US$ 650 milhões que fornecemos a Kiev apenas no ano passado. Isso é mais assistência de segurança do que jamais foi fornecida em um único ano aos nossos parceiros na Ucrânia.

Mas o presidente também deixou claro que, se os russos avançassem, reforçaríamos o chamado flanco oriental da OTAN. Mas mesmo quando dissemos isso, nunca descartamos a opção de fornecer assistência adicional antes de uma possível invasão. E, portanto, há uma série de consequências que explicamos que a Federação Russa suportaria. Há uma série de medidas que estamos tomando agora em termos de nossa assistência de segurança defensiva para a Ucrânia, em termos de mensagens de dissuasão que estamos apresentando sobre as consequências que recairiam sobre a Federação Russa, e agora o que você está ouvindo do meu colega do Pentágono.

QUESTÃO: Depois disso, essas discussões sobre o uso de tropas dos EUA – isso fez parte da resposta em andamento dentro do governo Biden antes que esses relatórios se tornassem conhecidos publicamente neste fim de semana? Isso foi uma parte ativa da discussão sobre como lidar com a agressão russa?

MR PREÇO: Eu diria em geral, sem falar de deliberações internas, que algo assim normalmente não se tornaria público se fosse apenas introduzido. Estávamos considerando uma série de passos, e você está ouvindo o Pentágono falar publicamente sobre isso hoje. O fato de que eles estão falando publicamente hoje sugere que não é um ingrediente novo, pois consideramos uma resposta ao que estamos vendo agora.

QUESTÃO: Isso é projetado para fazer os russos talvez repensarem o envio de tropas adicionais dentro da Bielorrússia e tentar reforçar sua presença na parte sul da Ucrânia?

MR PREÇO: Nosso objetivo em tudo isso é tanto defender quanto dissuadir. Portanto, estamos tomando várias medidas na defesa da Ucrânia, inclusive fornecendo assistência de segurança defensiva, mas tomando várias medidas para impedir o que a Federação Russa e o que Vladimir Putin especificamente podem ter em mente. Então para sua pergunta, sim.

QUESTÃO: E depois mais uma: o embaixador dos EUA na ONU deu um briefing hoje cedo, e surgiu a questão de que tipo de conversas ela tem tido com outros membros do Conselho de Segurança sobre essa situação, e o embaixador Thomas-Greenfield até permitiu que ela tem falado com o seu homólogo russo. O que ela foi acusada de dizer ao embaixador Nebenzya sobre a ameaça que os EUA veem à soberania da Ucrânia? E por que os EUA não pressionaram por uma reunião do Conselho de Segurança sobre esse assunto antes que a Rússia assuma a presidência na próxima terça-feira?

MR PREÇO: Bem, acho que você também ouviu da Embaixadora que ela tem estado muito engajada com seus colegas no Conselho de Segurança e seu conjunto mais amplo de colegas na ONU. Ela reconheceu que esteve em contato com sua contraparte russa, mas posso garantir a você – e acho que você também ouviu dela – que sua contraparte russa não é a única contraparte com quem ela está falando. E eu esperaria que você ouvisse dela que seu envolvimento com nossos aliados, incluindo aqueles no Conselho de Segurança, e nossos parceiros foi muito mais extenso do que seu envolvimento com sua contraparte russa no Conselho de Segurança.

Mas em termos de mensagem, a mensagem que os russos têm ouvido de nós foi clara e consistente. Tem sido claro e consistente em público; tem sido claro e consistente em privado. Em primeiro lugar, preferimos o caminho da diplomacia e do diálogo. Acreditamos que é a única maneira responsável de buscar uma desescalada e pôr fim à contínua agressão russa contra a Ucrânia e quaisquer outros planos que a Federação Russa possa ter reservado. Eles também ouviram – e ouviram isso em nossos compromissos privados, mas também muito publicamente – que, assim como estamos preparados para o diálogo e a diplomacia, estamos buscando defesa e dissuasão, e falamos com isso extensivamente já hoje. Mas os russos sabem, porque ouviram diretamente de nós, que estamos preparados para nos envolver. Eles sabem que existem algumas questões em que pensamos que o diálogo e a diplomacia podem repercutir positivamente em nossa segurança coletiva, a segurança coletiva da comunidade transatlântica, e isso pode ajudar a responder a algumas das preocupações que a Federação Russa fez.

Mas eles também ouviram de nós, e isso é tão importante, que existem outras áreas, incluindo a política de “Portas Abertas” da OTAN, onde não há espaço comercial. Absolutamente nenhum. E assim, em todos os nossos compromissos, seja o secretário, o vice-secretário, o embaixador Thomas-Greenfield, essas mensagens foram claras e consistentes.

Disse.

QUESTÃO: Ned, quero mudar de assunto.

MR PREÇO: Qualquer outra coisa sobre – ok, vejo que pode haver algumas outras perguntas. Ben.

QUESTÃO: Sim, a evacuação parcial da embaixada mostra claramente que você está preocupado com a segurança dos americanos na Ucrânia. E você também deixou bem claro o que aconteceria se a Rússia invadisse. Você aproveitará esta oportunidade agora também para alertar a Rússia contra prejudicar quaisquer americanos e dizer qual seria a consequência se o fizessem?

MR PREÇO: Então deixe-me responder a essa pergunta e deixar claro que não temos prioridade maior do que a segurança dos americanos em todo o mundo. E ontem à noite você nos ouviu falar sobre as medidas prudentes que estamos tomando no contexto de nossa comunidade diplomática em Kiev, sabendo que os russos têm esse grande acúmulo militar, que eles podem estar prontos para tomar uma ação agressiva significativa a qualquer momento. E, portanto, a saída autorizada de funcionários não emergenciais de nossa embaixada e a saída ordenada de dependentes é parte integrante e reflete a prioridade suprema que atribuímos à segurança e proteção do povo americano.

Não quero entrar em discussões privadas, mas deixamos bem claro para os russos a prioridade que atribuímos à segurança do povo americano. Eles sabem que essa é a nossa maior prioridade. Eles sabem que fazemos esforços extraordinários para proteger sua segurança e proteção. E vou deixar assim.

QUESTÃO: Em termos de número de pessoas, de americanos dentro da Ucrânia, ontem eu sei que o Departamento de Estado não seria sorteado em números exatos. Mas isso é porque você não sabe quantos ou simplesmente não quer dizer quantos americanos estão dentro da Ucrânia?

MR PREÇO: Nosso objetivo sempre é fornecer a você informações oportunas e precisas, e no momento não temos uma - uma contagem que consideramos precisa do número de americanos, americanos privados, que residem na Ucrânia, e direi Você, por que. Você já ouviu isso no contexto do Afeganistão, mas quando os americanos viajam para o exterior, é claro que não são obrigados a se registrar na embaixada do país. Sempre incentivamos os americanos a se registrarem quando viajam para o exterior com nosso chamado sistema STEP, mas acho que, como muitos de vocês podem atestar, quando viajam para o exterior, nem sempre fazem isso. E alguns de vocês provavelmente nunca fizeram isso.

Da mesma forma, quando os americanos deixarem o país, eles precisariam cancelar o registro. E, dado que muitos podem não se registrar em primeiro lugar, acho que é uma suposição segura de que muitos – aqueles que realmente se registram podem não se retirar da lista de cidadãos americanos que podem residir em um país estrangeiro.

O outro ponto é que mesmo quando as pessoas se registram, o Departamento de Estado não está em condições de verificar independentemente se uma pessoa que se inscreveu no STEP, o chamado sistema STEP, é realmente um cidadão americano. Portanto, há um número – por várias razões, a contagem – nós simplesmente não temos uma contagem precisa no momento.

Quando enviamos mensagens para o povo americano na comunidade privada de cidadãos americanos em Kiev, na Ucrânia, nos últimos dias, os incentivamos a preencher um formulário que nos ajudará a adquirir maior granularidade sobre o tamanho da comunidade americana de cidadãos americanos privados na Ucrânia. Mas isso não é algo que temos agora.

QUESTÃO: E mais um. Você mencionou o Afeganistão. Eu me pergunto se há – há algo do Afeganistão que você aprendeu sobre identificar e resgatar americanos dentro de uma zona de guerra que você acha que pode ser aplicado aqui?

MR PREÇO: Bem, essas obviamente não são situações análogas e, portanto, eu odiaria sugerir o contrário. Nossa principal responsabilidade é manter a comunidade cidadã dos EUA informada sobre os desenvolvimentos de segurança e proteção. Foi o que fizemos mais recentemente ontem à noite, quando emitimos o Aviso de Viagem atualizado e a Nota de Mídia que o acompanha para mantê-los informados sobre os desenvolvimentos de segurança e proteção. E isso pode incluir informações sobre opções de viagens comerciais.

Fizemos isso porque, como disse o presidente, a ação militar da Rússia pode ocorrer a qualquer momento. E todos nós sabemos e todos vimos indicações de que esse é o caso, dado o acúmulo militar em grande escala. Também deixamos claro que não estaremos em condições de evacuar cidadãos americanos, cidadãos americanos privados, em tal contingência. E é por isso que incentivamos os cidadãos americanos que podem estar na Ucrânia a planejar adequadamente, inclusive valendo-se de opções comerciais caso optem por deixar o país. Embora estejamos reduzindo o tamanho de nossa presença na embaixada, a embaixada está lá para ajudar os cidadãos americanos nisso. Estamos em um – temos a capacidade de fornecer, por exemplo, empréstimos de repatriação para qualquer americano que procure aproveitar essas opções comerciais para retornar aos Estados Unidos.

QUESTÃO: Ned —

QUESTÃO: Posso acompanhar o —

QUESTÃO: Se você não se importa.

MR PREÇO: Certo.

QUESTÃO: Primeiro, o que você quer alcançar com a reunião com – que Biden está tendo com – com líderes europeus? Presumivelmente, está se baseando na reunião do Sr. Blinken esta manhã. Então, o que você quer alcançar com isso?

Dois, na reunião desta manhã que o Sr. Blinken teve com o Conselho Europeu, ele recebeu perguntas sobre a decisão dos EUA de começar a reduzir o tamanho da embaixada? Porque alguns europeus não estão na mesma página, e como Francesco estava dizendo, estamos sugerindo que a retórica precisava ser diminuída um pouco, que não havia nenhuma diferença na segurança para sugerir um ataque iminente. Então, o que você espera alcançar, e o que o Sr. Blinken ouviu sobre a abordagem americana?

MR PREÇO: Então, como você mencionou, Barbara, o secretário participou hoje cedo no Conselho de Relações Exteriores da UE. Foi convidado pelo Alto Representante da UE, Josep Borrell. Para dar uma ideia disso, o secretário informou seus colegas sobre sua visita na semana passada a Kiev, Berlim e Genebra. Como parte do esforço, conversamos com – para diminuir a tensão causada pelo aumento militar não provocado da Rússia e sua contínua agressão contra a Ucrânia.

No compromisso desta manhã, o secretário enfatizou que continuaremos a coordenar estreitamente com a UE e seus estados membros, além das outras instituições multilaterais que já mencionamos. Essa é a OTAN, essa é a OSCE, e com aliados e parceiros individuais. E no decorrer desta reunião, o secretário demonstrou isso ao informá-los sobre os compromissos na semana passada, é claro, incluindo o compromisso com o ministro das Relações Exteriores Lavrov.

Você viu que logo após a conclusão da reunião com o ministro das Relações Exteriores Lavrov na sexta-feira, o secretário também teve a chance de falar com seu colega ucraniano para informá-lo sobre essas discussões, e essa é uma prática que adotamos ao longo de todos os os nossos compromissos – com os nossos aliados europeus, os nossos parceiros europeus, incluindo naturalmente os nossos parceiros ucranianos, porque estamos a operar com a máxima de nada sobre eles sem eles. Nada sobre a Ucrânia sem a Ucrânia. Nada sobre a Europa sem Europa. Nada sobre a OTAN sem a OTAN.

Então a participação do secretário na reunião de hoje foi mais uma oportunidade em outro local para fazermos exatamente isso. O presidente, é claro, também esteve profundamente engajado nisso. Você viu que ele convocou sua equipe, tanto pessoalmente quanto virtualmente, em Camp David no fim de semana para discutir isso. Portanto, não deve ser surpresa que o presidente tenha a oportunidade de falar com seu colega sobre essas mesmas questões com o mesmo – com a mesma máxima em mente.

Quando se trata da decisão que tomamos ontem à noite, quero apenas reiterar o ponto central, que é sobre um critério e apenas um critério, que é a segurança de nossa equipe em campo na Ucrânia. . E foi um passo prudente quando se tratava da saída ordenada de dependentes. Foi um passo prudente quando se tratava da saída autorizada de funcionários não essenciais.

Mas deixe-me também esclarecer que essa decisão não diz nada sobre nosso compromisso com a soberania da Ucrânia e sua integridade territorial. Nosso compromisso com a soberania e integridade territorial da Ucrânia é inabalável. A embaixada continua a funcionar e o encarregado, claro, permanece na Ucrânia. O fato de estarmos tomando precauções prudentes para o bem e a segurança dos cidadãos dos EUA não prejudica de forma alguma nosso apoio ou compromisso com a Ucrânia. Você já viu que o suporte tem várias formas.

É claro que o secretário esteve em Kiev na semana passada, onde você o ouviu reiterar essas mensagens ao lado do presidente Zelenskyy, ao lado do ministro das Relações Exteriores Kuleba. Continuamos a fornecer assistência de segurança defensiva. A primeira entrega da parcela adicional de US$ 200 milhões que foi autorizada em dezembro chegou a Kiev durante a noite de sexta-feira para sábado. Continuaremos a fornecer assistência de segurança defensiva aos nossos parceiros e continuaremos a sinalizar em termos inequívocos o compromisso duradouro que temos com a integridade territorial e a soberania de nosso parceiro Ucrânia.

QUESTÃO: Ned —

QUESTÃO: Posso acompanhar isso?

MR PREÇO: Por favor.

QUESTÃO: Porque você disse novamente que é o passo prudente, mas o governo ucraniano se opôs claramente a essa medida e o Ministério das Relações Exteriores hoje a chamou de excessivamente cautelosa. Existe uma sensação no governo de que isso poderia ter criado pânico na Ucrânia em um momento em que é exatamente isso que a Rússia está tentando fazer, alimentando a instabilidade no país?

MR PREÇO: Trata-se de uma coisa e apenas uma coisa, e...

QUESTÃO: Você já considerou o pânico que isso poderia ter criado?

MR PREÇO: Eu sinto Muito. Fizemos o quê?

QUESTÃO: Você considerou o pânico que isso poderia ter criado?

MR PREÇO: O que consideramos é a segurança do povo americano. E esta é uma decisão que somente o governo dos Estados Unidos pode tomar porque é uma prioridade que atribuímos à segurança e, neste caso, também de nossos colegas e suas famílias. Isso não diz nada ao nosso apoio inabalável e implacável aos nossos parceiros ucranianos. Trata-se de uma coisa e apenas uma coisa: as considerações muito restritas de segurança e proteção de nossos colegas.

QUESTÃO: Mas isso combinado com o anúncio do Pentágono hoje sobre colocar 8,500 soldados de prontidão, além da postura muito pública na sexta-feira com a chegada da nova ajuda letal, parece que você está aumentando sua pressão aqui na Rússia de alguma forma. Você rejeita isso? Você acha que sua postura mudou?

MR PREÇO: Trata-se de defesa e dissuasão. O que nos preocupa é a possibilidade de agressão russa. Isso não é sobre defesa. Não se trata de dissuasão. Trata-se de operações ofensivas contra um país soberano, um país soberano que é um parceiro próximo dos Estados Unidos. Portanto, igualar essas duas coisas é profundamente impreciso, e também é precisamente o que estamos ouvindo de Moscou. Estes são elementos qualitativamente diferentes e diferentes passos que estamos tomando. Se os russos diminuíssem a escalada, você não veria exatamente o mesmo conjunto de movimentos de nossos parceiros ucranianos, da OTAN, dos Estados Unidos.

Aqui está o ponto mais amplo, e você já ouviu o secretário fazer isso repetidamente. Na verdade, ele na reunião com o ministro das Relações Exteriores Lavrov na sexta-feira fez isso diretamente, fez esse ponto diretamente ao ministro das Relações Exteriores. E ele disse que os Estados Unidos genuinamente não entendem a postura estratégica da Rússia aqui porque ao longo dos anos e no contexto dessa escalada, Vladimir Putin e a Federação Russa precipitaram tudo o que tentaram impedir. E você ouviu o secretário falar sobre o crescente apoio à adesão à OTAN entre os ucranianos desde 2014, níveis de apoio que praticamente dobraram. Você ouviu nós e a OTAN como uma aliança falar sobre as iniciativas de reafirmação que foram precipitadas precisamente pela agressão não provocada da Rússia contra a Ucrânia em 2014.

Assim, os russos podem muito bem reclamar e podem muito bem tomar nota e apontar para esses esforços de defesa e dissuasão, mas é sua agressão que precipitou precisamente o que estamos ouvindo e vendo eles apontarem.

E aqui está a outra preocupação, e não escondemos isso: nossa preocupação de que os russos, como fizeram em 2014, possam estar tentando fabricar um pretexto para uma agressão adicional contra a Ucrânia. Se você quisesse fazer isso, isso é, de certa forma, como seria. Isso é o que nos preocupa há algum tempo. É por isso que conversamos não apenas com essa preocupação de maneira ampla, mas também por que apresentamos informações em nossa posse especificamente que falam sobre as medidas que a Federação Russa pode estar tomando para esse fim.

QUESTÃO: Posso ter só mais um, por favor?

QUESTÃO: Ned —

MR PREÇO: Deixe-me deixar Conor terminar.

QUESTÃO: Não, tudo bem. Apenas uma última pergunta especificamente sobre a questão da unidade da OTAN. O ministro das Relações Exteriores ucraniano disse novamente que a Alemanha está minando a unidade na Aliança, em parte porque está impedindo a Estônia de transferir armas, eles não fornecerão armas, os comentários de seu chefe naval no fim de semana – ou na semana passada. Você tem alguma resposta a isso, essa ideia de que a Alemanha não está fazendo o suficiente dentro da Aliança para apoiar uma frente unificada?

MR PREÇO: O secretário teve a chance de se encontrar não apenas com o chanceler Scholz, mas também com o ministro das Relações Exteriores Baerbock na semana passada em Berlim, e o ministro das Relações Exteriores foi realmente questionado ao lado do secretário. E ela falou exatamente sobre o que a Alemanha está fazendo, as importantes contribuições que a Alemanha está fazendo para a Ucrânia. Deixarei para a Alemanha falar sobre essas importantes contribuições. Mas, para ser claro, não há luz do dia entre nossos aliados e nossos parceiros sobre as graves consequências que recairiam sobre a Federação Russa se ela avançasse.

QUESTÃO: Como seria a desescalada?

QUESTÃO: Apenas uma coisa sobre a Ucrânia, uma última coisa sobre a Ucrânia.

QUESTÃO: Seria a desescalada – como seria a desescalada? Quero dizer, eles têm – agora, alega-se que eles têm 100,000 soldados em seu próprio território ao longo da fronteira. Então, a desescalada pareceria se eles retirassem 25,000 soldados? Quero dizer, como seria a desescalada?

MR PREÇO: Poderia incluir isso. Não vou ser prescritivo.

QUESTÃO: Existe, tipo, uma figura que você gostaria de ver?

MR PREÇO: Olha, eu não vou ser prescritivo sobre isso. Acho que a desescalada pode assumir muitas formas. Pode assumir a forma do que estamos vendo e do que vimos ao longo das fronteiras da Ucrânia. Pode assumir a forma do que estamos vendo em termos de atividade russa no que deveria ser outro país soberano, a Bielorrússia. Pode assumir a forma do que estamos ouvindo da Federação Russa. A desescalada pode assumir muitas formas.

Pode assumir muitas formas como um passo inicial, e é isso que gostaríamos de ver com o objetivo final em mente de ver as forças russas retornarem aos seus quartéis permanentes, cessar isso e pôr fim e reverter esse acúmulo ao longo das fronteiras da Ucrânia, cessar com a retórica agressiva. A desescalada pode assumir muitas formas. Gostaríamos de receber qualquer um deles.

QUESTÃO: Então, apenas - somente se as forças russas estiverem de volta em seus quartéis o tempo todo - será considerado desescalada?

MR PREÇO: Não. Meu ponto é que há muitas formas que a desescalada pode assumir. Há também um continuum. Gostaríamos, pelo menos como um passo inicial, de qualquer forma de desescalada.

QUESTÃO: Ned —

QUESTÃO: (Fora do microfone.)

MR PREÇO: Sim.

QUESTÃO: Sim, você está ciente da reunião que será realizada em Paris na quarta-feira entre autoridades ucranianas e russas, e você espera algum avanço?

MR PREÇO: Sim, então não espero nenhum envolvimento americano nisso. Vamos ver. Como você sabe, estamos consultando aliados e parceiros, incluindo a Ucrânia, para determinar os próximos passos, e também estamos em comunicação com a Federação Russa, como dissemos. Acreditamos que a diplomacia é o melhor caminho a seguir e estamos preparados para apoiar o diálogo e a diplomacia que servem para diminuir as tensões. Portanto, apoiamos os esforços que são realizados de boa fé por parte da Federação Russa.

QUESTÃO: Você viu os tweets de seu colega ucraniano, porta-voz? Ele twittou enquanto estávamos no briefing. Vou ler super rápido: “Existem 129 missões diplomáticas na Ucrânia. Destes, apenas quatro declararam a saída dos familiares do pessoal: EUA, Reino Unido, Austrália e Alemanha. O resto, incluindo UE, OSCE, COE, OTAN e ONU, não expressaram sua intenção de seguir essas medidas prematuras”. Você tem uma resposta para isso?

MR PREÇO: Eu não.

QUESTÃO: Ouvimos que eles são -

MR PREÇO: Eu não tenho uma resposta para isso. Meu único comentário seria o que você me ouviu dizer antes. Isso é baseado em um critério e apenas um critério. É uma prioridade que atribuímos à segurança e proteção de nossos colegas na Ucrânia.

QUESTÃO: OK. Eu tenho uma pergunta sobre o Irã – desculpe.

MR PREÇO: Mais alguma coisa sobre Rússia-Ucrânia? sim.

QUESTÃO: Tenho acompanhamento da evacuação. Eu sou da mídia ucraniana —

MR PREÇO: Ah, bem-vindo.

QUESTÃO: – e quero deixar claro que os Estados Unidos não evacuaram os diplomatas nem durante o pior dia dos últimos oito anos. E Kiev está longe o suficiente da fronteira russa. Isso significa que, a partir de seu conhecimento e de sua inteligência, nossa capital – capital ucraniana é o alvo e é o principal alvo da invasão russa?

MR PREÇO: Bem, olhe, é claro, eu não vou falar com nenhuma inteligência, mas como dissemos, inclusive em nosso anúncio ontem à noite, estamos fazendo isso como um passo prudente por causa dos contínuos esforços russos para desestabilizar o país e minar a segurança dos cidadãos ucranianos e de outras pessoas que visitam ou residem na Ucrânia.

QUESTÃO: E as autoridades dos Estados Unidos mencionaram repetidamente – e você também – que não desiste dos esforços diplomáticos na Rússia. Você poderia por favor esclarecer? Você já mencionou sobre segurança – uma segurança coletiva. O que exatamente você quer dizer? Onde há espaço para negociação com a Rússia? E qual é o assunto do compromisso?

MR PREÇO: Por isso, dissemos consistentemente que estamos dispostos a dialogar e a diplomacia, e a dialogar e a diplomacia com a Federação Russa sabendo, é claro, que os russos publicaram os seus dois tratados. Há certos elementos nesses tratados, como vocês nos ouviram dizer repetidamente, que são absolutamente inviáveis, incluindo a chamada política de “Portas Abertas” da OTAN.

Mas há outras áreas que – onde o diálogo e a diplomacia podem ajudar a melhorar nossa segurança coletiva, a segurança transatlântica. Gostaria de salientar que, mesmo antes do início deste acúmulo militar russo ao longo das fronteiras da Ucrânia, já havíamos realizado duas reuniões do Diálogo de Estabilidade Estratégica, o local que a vice-secretária Sherman utilizou na outra semana para se reunir com seu colega russo para discutir algumas dessas questões. questões. E o fato de o chamado SSD ter começado após a cúpula entre o presidente Putin e o presidente Biden em junho fala do fato de que acreditamos que existem questões quando se trata de controle de armas, por exemplo, onde podemos potencialmente ter discussões frutíferas com os russos que poderiam abordar nossas preocupações de segurança, ou seja, aquelas nos Estados Unidos e nossos aliados e parceiros, e também poderiam responder a algumas das preocupações que os russos disseram. Então, especificamente, falamos sobre a colocação de mísseis na Europa, opções para armas nucleares estratégicas e não estratégicas, outras medidas de controle de armas e aquelas destinadas a aumentar a transparência e a estabilidade.

O ponto-chave nisso é que quaisquer medidas que tomássemos não seriam concessões. Eles precisariam ser recíprocos, o que significa que os russos também teriam que fazer algo que ajudaria a melhorar nossa segurança – nossa postura de segurança.

O ponto final sobre isso: tudo isso foi e continuará sendo conduzido com consulta completa e completa com nossos aliados e parceiros, e isso inclui a Ucrânia. Quando o secretário se encontrou com o presidente Zelenskyy, quando ele se encontrou com o presidente Kuleba – ou o ministro das Relações Exteriores Kuleba, quando ele falou com o ministro das Relações Exteriores Kuleba na sexta-feira depois de se encontrar com o ministro das Relações Exteriores Lavrov, estamos na prática de ser totalmente transparentes com nossos parceiros ucranianos sobre as questões que estão sendo discutidas e o andamento desses compromissos.

QUESTÃO: (Fora do microfone.)

MR PREÇO: Sim.

QUESTÃO: (Inaudível) para a questão palestina?

MR PREÇO: Mais alguma coisa sobre Rússia-Ucrânia? Ben, um -

QUESTÃO: sim. O secretário ia levantar Paul Whelan e Trevor Reed em suas discussões com o ministro das Relações Exteriores Lavrov. Existe alguma atualização? Você acha que a situação atual vai melhorar ou piorar a situação deles?

MR PREÇO: Isso depende muito da Federação Russa. Posso confirmar, como o secretário disse antes da reunião, que ele levantou os casos de Paul Whelan e Trevor Reed, que viajaram para a Rússia como turistas e que foram detidos injustamente por muito tempo, afirmou que é já passou da hora de vê-los de volta em segurança para suas famílias. E vamos continuar trabalhando nisso.

Sim?

QUESTÃO: Obrigado, Neder. Mais um sobre a crise russo-ucraniana. O governo Biden reconhece ou reconhece que qualquer incursão ou invasão da Rússia contra a Ucrânia poderia desencadear um efeito dominó em tantas questões? Vou citar alguns exemplos: China contra Taiwan; Irã e seus representantes; a Coreia do Norte e seus mísseis balísticos contra a Coreia do Sul e o Japão; Venezuela, Cuba e suas táticas e movimentos autoritários de repressão.

Então Ned, o mundo inteiro está observando o que os EUA vão fazer para parar a Rússia. Como você comenta isso?

MR PREÇO: Qual foi a última parte? Como fazemos o quê?

QUESTÃO: Como você comenta isso? O governo Biden está ciente de quão crítico o mundo inteiro está assistindo? Assim como o que aconteceu no Afeganistão, e alguns relatórios estão dizendo que a Rússia está pegando uma página do que aconteceu no Afeganistão e se movendo contra a Ucrânia – ou poderia se mover – então agora, se eles fizessem isso, todo esse efeito dominó poderia acontecer.

MR PREÇO: Bem, antes de chegar à sua pergunta mais ampla, quero abordar a última parte da sua pergunta, que é o Afeganistão.

Tenho dificuldade em entender como é que pôr fim a um compromisso militar de 20 anos em que os Estados Unidos gastaram bilhões e bilhões de dólares todos os anos, onde milhares de tropas americanas – em um ponto dezenas de milhares de tropas americanas – foram estacionado; onde houve um compromisso da OTAN, onde milhares de soldados da OTAN estiveram estacionados durante muitos anos, sofrendo baixas, suportando a perda de vidas com um compromisso militar sem fim – como estávamos – se isso ainda fosse o caso, como estaríamos melhor posicionado estrategicamente para enfrentar o que estamos vendo agora da Federação Russa.

O presidente foi claro quando fez seu anúncio de que estaríamos encerrando nosso engajamento militar no Afeganistão, que parte do motivo pelo qual estávamos fazendo isso não era apenas para impedir que outra geração de militares americanos ou membros do serviço da OTAN lutassem e potencialmente morrendo no Afeganistão, mas para nos permitir focar nas ameaças e oportunidades do século 21. E assim, enquanto enfrentamos essa agressão russa, enquanto buscamos nos engajar nesse caminho de defesa e dissuasão, é exatamente isso que estamos fazendo.

Então, eu só queria abordar o assunto sobre o Afeganistão.

QUESTÃO: Mas Ned, acho que a questão é que a administração (inaudível) deu as costas para seus aliados lá, muita gente viu assim; talvez os aliados estejam preocupados que isso possa acontecer agora.

MR PREÇO: Em primeiro lugar, os Estados Unidos não deram as costas ao Afeganistão. Você nos viu consistentemente fazendo parcerias e demonstrando nosso compromisso duradouro com o povo do Afeganistão, e fizemos isso de várias maneiras. Eu não preciso passar por eles agora porque vemos isso de forma consistente.

Portanto, qualquer um que esteja aprendendo alguma lição além do fato de que os Estados Unidos sentiram que era hora de pôr fim ao que havia sido um compromisso militar sem fim, no qual milhares e milhares de soldados americanos lutaram e milhares morreram, e o mesmo para a OTAN também, minou os Estados Unidos e nossos parceiros da OTAN de bilhões e bilhões – trilhões ao longo de 20 anos; qualquer um que tire alguma lição disso além do fato de que os Estados Unidos estão se posicionando para enfrentar as ameaças e oportunidades que enfrentamos agora, enquanto continuamos a fazer parceria e apoiar o povo do Afeganistão, isso seria uma análise equivocada.

Mas para sua pergunta, porém, nós pensamos sobre isso. E é precisamente por isso que o secretário fez um discurso em Berlim na semana passada que foi realmente sobre essa mesma questão, para deixar claro que o que estamos vendo a Rússia tentar e realizar contra a Ucrânia é importante por si só, é claro. A Ucrânia é um parceiro próximo; temos amigos próximos no povo ucraniano. Mas, de certa forma, isso é tão importante quanto a Ucrânia, ainda maior do que a questão de um conflito, um conflito produzido pela Rússia, entre a Rússia e a Ucrânia. Trata-se de quais devem ser as regras invioláveis ​​da chamada ordem internacional baseada em regras, quais devem ser as regras invioláveis ​​que nos últimos 70 anos, desde o fim da Segunda Guerra Mundial, protegeram e realmente permitiram níveis de segurança sem precedentes , de estabilidade, de prosperidade. Isso inclui na – na Europa, mas também inclui em áreas muito além disso.

E, claro, você nos ouve falar sobre a ordem internacional baseada em regras não apenas no caso da Europa e do que a Rússia está fazendo para prejudicá-la, mas também em outras regiões, principalmente no Indo-Pacífico, onde temos preocupações semelhantes sobre o que alguns países também procuraram fazer para minar, para erodir essa ordem internacional baseada em regras. Portanto, não nos escapa que os russos e as implicações do que estão fazendo, por mais importantes que sejam para a Ucrânia, vão muito além da Ucrânia.

QUESTÃO: Ned, tenho duas perguntas sobre o Irã e o Kuwait.

QUESTÃO: Ned, posso perguntar...

MR PREÇO: Claro, eu vou voltar para você. Disse.

QUESTÃO: Você me chamou umas três vezes, ou duas.

MR PREÇO: Disse, você já perguntou a um...

QUESTÃO: Está bem. Não, eu entendo.

MR PREÇO: Você já fez uma pergunta durante este briefing.

QUESTÃO: Compreendo. Mas quero mudar de assunto. Quero lhe perguntar sobre o palestino-americano que morreu sob custódia israelense em 12 de janeiro. Agora, eu sei que você pediu aos israelenses que você queria ver quais eram as circunstâncias e assim por diante. Primeiro de tudo, eles responderam a você? Quer dizer, pode ser qualquer um dos meus irmãos.

MR PREÇO: Desculpe, qual foi a última parte?

QUESTÃO: Quero dizer, isso poderia ser – deixa pra lá. Só estou dizendo, eles responderam a você?

MR PREÇO: Portanto, ainda não vimos um relatório final do governo israelense. Continuamos a apoiar uma investigação completa sobre as circunstâncias do incidente. Congratulamo-nos com o recebimento de informações adicionais do governo israelense o mais rápido possível. Estamos profundamente preocupados com os relatos da mídia sobre as circunstâncias da morte do Sr. Assad, um cidadão americano, que foi encontrado morto depois que os militares israelenses o detiveram. Como dissemos anteriormente, estivemos em contato próximo com sua família para oferecer nossas condolências, prestar serviços consulares. Também fomos representados no velório do Sr. Assad.

QUESTÃO: Bem, ele morreu algemado e amordaçado e assim por diante. E que tipo de – eles – você lhes dá um limite de tempo? Você confia nos israelenses para fazer sua própria investigação neste caso?

MR PREÇO: Como eu disse, Said, agradecemos o recebimento dessa informação o mais rápido possível.

QUESTÃO: OK. Eu tenho uma – outra pergunta rápida. Há relatos de que 17 jornalistas palestinos estão detidos hoje. Isso é algo que você levantaria com os israelenses para investigar quais são as circunstâncias de sua prisão?

MR PREÇO: Estamos cientes dos relatórios que você citou. Como fazemos em todo o mundo, apoiamos jornalistas independentes e organizações de mídia, e você já nos ouviu falar antes sobre a indispensabilidade de suas reportagens, especialmente em áreas onde as tensões são altas ou conflitos podem surgir. Acreditamos que o respeito pelos direitos humanos, pelas liberdades fundamentais e uma sociedade civil forte são extremamente importantes para uma governança responsável e responsiva.

QUESTÃO: E, finalmente, o embaixador dos EUA nas Nações Unidas falou na semana passada e destacou a violência dos colonos e a agressão contra os palestinos. No entanto, vimos apenas um aumento na violência nos últimos dias. Isso é algo que você levantaria ou você está muito ocupado com questões como Ucrânia e Irã e todas essas coisas – quero dizer, compreensivelmente?

MR PREÇO: Disse, somos um grande governo. Somos um grande departamento. Para não usar uma metáfora muito usada, mas podemos andar e mascar chiclete ao mesmo tempo. Quando se trata da questão que você levantou, você já nos ouviu falar sobre isso. Você citou alguns comentários recentemente. O Departamento de Estado também comentou anteriormente sobre isso. Acreditamos que é fundamental que todas as partes se abstenham de medidas que exacerbem as tensões e diminuam os esforços para avançar em uma solução negociada de dois Estados. Isso inclui violência contra civis e violência de colonos.

QUESTÃO: Ned, posso perguntar algo sobre o Irã (inaudível)?

MR PREÇO: Então, duas perguntas do Irã. Certo.

QUESTÃO: Sim. O ministro das Relações Exteriores do Irã disse na segunda-feira que está pronto para considerar conversas diretas com os Estados Unidos se isso – se eles sentirem que podem conseguir um bom acordo com garantias. De qualquer forma, houve alguma comunicação sobre isso? E vocês estão pensando em ter conversas diretas com eles?

MR PREÇO: Humeyra, como você sabe, estamos preparados para nos encontrarmos diretamente. Mantivemos consistentemente a posição de que seria muito mais produtivo se envolver diretamente com o Irã nas negociações do JCPOA e em outras questões. Isso se estende a formatos bilaterais e multilaterais. Reunir-se diretamente permitiria uma comunicação mais eficiente, que é urgentemente necessária para chegar rapidamente a um entendimento sobre um retorno mútuo ao cumprimento do JCPOA.

Já mencionamos isso antes, mas dado o ritmo dos avanços nucleares do Irã, o tempo está se esgotando até que os benefícios de não proliferação que o JCPOA transmitiu conforme inicialmente elaborado e implementado - elaborado em 2015 e implementado em 2016 sejam superados pelos avanços nucleares que o Irã fez. Portanto, estamos procurando conduzir essa diplomacia com urgência, e temos sido consistentemente muito claros de que poder nos envolver diretamente serviria a esses propósitos.

QUESTÃO: Dada a sua posição agora e o que eles disseram, devemos esperar que isso aconteça em breve? Existe alguma razão para que isso possa acontecer em breve? Houve alguma comunicação indireta sobre fazer isso acontecer em breve?

MR PREÇO: Você teria que perguntar às autoridades em Teerã. Nós – esta não é a primeira vez que fazemos este ponto. Fizemos este ponto de forma consistente até agora. Os iranianos insistiram no formato indireto em Viena. Há muito notamos que as conversas indiretas, especialmente sobre um assunto dessa complexidade e dessa importância, são um obstáculo. Portanto, nossa posição foi clara. Eu o encaminharia às autoridades no Irã.

QUESTÃO: Minha última coisa sobre isso. Tivemos uma entrevista com o enviado especial Malley ontem, que disse que seria difícil imaginar que os EUA conseguissem um acordo com o Irã a menos que os reféns americanos fossem libertados. Eu só quero pressioná-lo um pouco sobre por que o governo não está disposto a dizer abertamente que eles não voltarão ao JCPOA a menos que os cidadãos americanos sejam libertados.

MR PREÇO: Bem, o que o enviado especial disse é que é, aspas, “muito difícil para nós imaginarmos voltar ao acordo nuclear enquanto quatro americanos inocentes estão sendo mantidos reféns pelo Irã”.

QUESTÃO: Sim.

MR PREÇO: Este é um ponto que ele fez repetidamente antes, então isso é – não deveria ser notícia. Também, posso lhe dizer, não é novidade para os iranianos. Eles também ouviram essa posição indiretamente de nós antes.

Mas o enviado especial também ressaltou que essas questões estão operando em caminhos separados, e estão operando em caminhos separados por uma razão muito simples: um retorno mútuo ao cumprimento do JCPOA é, na melhor das hipóteses, uma proposta incerta. Queremos ver esses americanos que foram mantidos contra sua vontade por anos a fio, longe de suas famílias, devolvidos o mais rápido possível. Não serviria aos nossos propósitos, não serviria aos seus interesses, vincular seus destinos a uma proposição que eu disse antes ser incerta na melhor das hipóteses. Então é por isso que certamente colore nossas interações, mas elas estão operando em trilhas separadas.

QUESTÃO: Posso fazer uma pergunta?

QUESTÃO: Mas Ned, do jeito que você diz, parece – é muito parecido com uma pré-condição.

MR PREÇO: Novamente, não é o caso de haver qualquer ligação direta ou explícita precisamente porque um retorno mútuo ao cumprimento do JCPOA é, na melhor das hipóteses, uma proposição incerta. Queremos que o retorno desses americanos seja uma proposta certa, e por isso estamos mantendo essas questões separadas.

sim. Desculpe.

QUESTÃO: O ministro das Relações Exteriores do Kuwait visitou Beirute no sábado e entregou propostas de construção de confiança ao Líbano e uma mensagem coordenada com os estados do Golfo, e ele está visitando Washington esta semana. Você conhece as propostas? E há alguma ligação entre suas visitas a Beirute e Washington?

MR PREÇO: Bem, espero que quando o Secretário se reunir com seu colega kuwaitiano na quarta-feira, eles tenham a oportunidade de discutir o Líbano. É algo em que os Estados Unidos, juntamente com nossos parceiros – incluindo nossos parceiros no Golfo, a França e outros – estamos muito, muito focados. Então, acho que teremos mais a dizer após a reunião bilateral na quarta-feira.

Sim.

QUESTÃO: (Inaudível) para nossa colega Tracy Wilkinson em Honduras. Facções rivais em seu congresso podem atrapalhar a posse do novo presidente na quinta-feira, a quem o Departamento de Estado rapidamente abraçou. O vice-presidente Harris está programado para viajar para a posse. Os EUA estão fazendo alguma coisa para neutralizar essa crise?

MR PREÇO: Bem, o que vou dizer é que a escolha da nova liderança provisória no Congresso Nacional de Honduras é uma decisão soberana de Honduras. Esperamos aprofundar nosso trabalho junto com o novo governo Castro e hondurenhos de todo o espectro político para promover nossos interesses compartilhados. Apelamos aos atores políticos para que permaneçam calmos, engajem-se no diálogo, evitem a violência e a retórica provocativa, e exortamos seus apoiadores a se expressarem pacificamente, respeitando o Estado de Direito.

Como você sabe, a vice-presidente Harris já teve a oportunidade de entrar em contato com a presidente eleita Castro para parabenizá-la por sua vitória histórica como a primeira mulher presidente de Honduras. Nessa conversa no mês passado, eles discutiram seu interesse compartilhado em trabalhar juntos para abordar as causas profundas da migração, promover oportunidades econômicas inclusivas para o povo de Honduras, melhorar – combater a corrupção, reduzir as ameaças à segurança e melhorar o acesso à saúde e educação.

QUESTÃO: Um sobre a Turquia para o meu colega da VOA.

MR PREÇO: Certo. Você tem um – houve um acompanhamento, Conor?

QUESTÃO: Não, é outra pergunta, então vá em frente, Barbara.

QUESTÃO: Então, se você não se importa, meu colega da VOA perguntou se há alguma reação do Departamento de Estado a dois casos sobre restrições à liberdade de expressão na Turquia. Um é no sábado passado: um conhecido jornalista turco foi preso por insultar o presidente Erdogan. Hoje a agência estatal – o estado multou o canal de TV para o qual ela trabalha. O segundo caso é um músico famoso que está recebendo ameaças de grupos islâmicos e nacionalistas por algo que ela escreveu há algum tempo, e o presidente Erdogan ameaçou silenciá-la durante as orações de sexta-feira, dizendo: “É nosso dever cortar essas línguas”. des-citação.

Você tem alguma reação a esses casos?

MR PREÇO: Bem, isso se aplica na Turquia, mas também é universal em sua aplicação, e é o fato de que acreditamos que a liberdade de expressão fortalece a democracia e precisa ser protegida mesmo quando envolve um discurso que alguns podem achar controverso ou desconfortável. Estamos cientes e decepcionados com a atenção e detenção de Sedef Kabaş, um dos casos que referiu, e esses princípios aplicam-se igualmente à Turquia como a qualquer outro país.

QUESTÃO: Burkina Faso. Os militares foram à TV para declarar que estão no poder. O gabinete do presidente negou isso, mas o presidente não foi visto. Você está ciente do que está acontecendo? Existe um golpe? Você já começou uma avaliação se existe ou não um?

MR PREÇO: Bem, estamos cientes de relatos de que o presidente de Burkina Faso foi detido por membros das forças armadas do país. Nossa equipe da embaixada em Ouagadougou está monitorando a situação e mantém comunicação com parceiros internacionais, bem como com funcionários do governo do presidente Kaboré. Apelamos à libertação imediata do Presidente Kaboré e de outros funcionários do governo, e que os membros das forças de segurança respeitem a constituição e a liderança civil do Burkina Faso. Instamos todas as partes nesta situação fluida a permanecerem calmas e buscarem o diálogo como meio de resolver as queixas. Nós – nossa embaixada em Ouagadougou avisou os cidadãos dos EUA em Burkina Faso que um toque de recolher obrigatório foi implementado pelas autoridades locais e os cidadãos dos EUA são aconselhados a se abrigar, evitar grandes multidões e monitorar a mídia local para atualizações.

QUESTÃO: Os EUA fornecem uma ajuda significativa ao Burkina Faso. Você está realizando uma avaliação de golpe?

MR PREÇO: Portanto, esta é uma situação em evolução. É uma situação que permanece fluida. Ele continuou a se desenvolver mesmo nas últimas horas, então é muito cedo para caracterizar, pelo menos oficialmente para nós, a natureza dos desenvolvimentos em andamento. Pedimos moderação a todos os atores enquanto analisamos cuidadosamente os eventos no terreno para qualquer impacto potencial em nossa assistência.

QUESTÃO: Irã, acompanhamento muito rápido. A AFP acaba de informar que – são atribuídos a altos funcionários americanos dizendo que gostariam de ver conversas diretas com o Irã. Você pode confirmar isso? Você quer conversas diretas com o Irã sobre...

MR PREÇO: Achei que havíamos discutido isso por cinco minutos com Hueyra.

QUESTÃO: Desculpe.

MR PREÇO: Sim. Nós fazemos.

QUESTÃO: Eu devo ter perdido. OK, desculpe.

MR PREÇO: sim. sim.

QUESTÃO: Então, o que se espera que seja alcançado por conversas diretas em vez do que está acontecendo em Viena agora?

MR PREÇO: Bem, acabamos de ter uma conversa bastante longa sobre isso, então gostaria de encaminhá-lo para isso.

Algumas perguntas finais. Sim por favor? Sim?

QUESTÃO: Existe alguma atualização que você possa dar sobre a fuga do ISIS no norte da Síria, seja em termos de apoio da coalizão e do número de fugitivos? E então o que é – o que isso diz sobre a capacidade das FDS de proteger as instalações, e você vê isso como uma falha de inteligência por parte da coalizão?

MR PREÇO: Bem, como você provavelmente viu, emitimos uma declaração sobre isso no fim de semana e condenamos o ataque do ISIS na semana passada no centro de detenção de Hasakah, no nordeste da Síria, que entendemos ter sido uma tentativa de libertar combatentes do ISIS detidos. Elogiamos as FDS por sua resposta rápida e compromisso contínuo com a luta contra o ISIS, e esse ataque em nossa mente destaca a importância e a necessidade de financiar totalmente as iniciativas da Coalizão Global para Derrotar o ISIS para melhorar e garantir a detenção humana de combatentes do ISIS, inclusive reforçando a segurança das instalações de detenção.

Para nós, também ressalta a necessidade urgente de os países de origem repatriarem, reabilitarem, reintegrarem e processarem – quando apropriado – seus cidadãos detidos no nordeste da Síria. Continuamos comprometidos com a derrota global duradoura do ISIS, trabalhando por, com e por meio da coalizão e de nossos parceiros locais. Mas além disso, para desenvolvimentos táticos no terreno, preciso encaminhá-lo para o DOD.

Ben?

QUESTÃO: Ontem à noite, o Departamento de Estado disse que, se houver uma invasão da Ucrânia, os EUA não poderão evacuar seus cidadãos. Gostaria de saber se você poderia apenas explicar por que, por que isso seria.

MR PREÇO: Ben, este é – historicamente sempre foi o caso. O – nossa principal responsabilidade é fornecer atualizações e desenvolvimentos e garantir a comunicação com a comunidade privada de cidadãos americanos em qualquer país, inclusive quando realizamos algo como saída ordenada ou saída autorizada. Eu sei que a experiência recente do Afeganistão pode colorir a sensação que algumas pessoas têm sobre isso, mas o Afeganistão, por razões que todos conhecemos bem, foi único. Era algo que o governo dos Estados Unidos não havia feito antes.

E como você nos ouviu dizer no contexto da Etiópia, Ucrânia e outros países, nosso encargo é continuar a fornecer atualizações informativas à comunidade de cidadãos americanos, para fornecer-lhes serviços, incluindo empréstimos de repatriação, caso precisem se valer de opções. Essas opções comerciais, é claro, ainda existem no caso da Ucrânia. É por isso que o conselho de ontem à noite instou os americanos a considerarem se valer dessas opções comerciais, e a embaixada está pronta para ajudar nesses esforços.

Obrigado a todos.

QUESTÃO: Obrigado, Neder.

Notícias relacionadas

Sobre o autor

Juergen T Steinmetz

Juergen Thomas Steinmetz trabalhou continuamente na indústria de viagens e turismo desde que era adolescente na Alemanha (1977).
Ele achou eTurboNews em 1999 como o primeiro boletim informativo online para a indústria global de turismo de viagens.

Subscrever
Receber por
convidado
0 Comentários
Comentários em linha
Ver todos os comentários
0
Adoraria seus pensamentos, por favor, comente.x
Compartilhar com...