Notícias

Tratamento da hepatite C usando novo teste de diagnóstico de origami

Um novo teste para hepatite C, que usa papel dobrado em origami para fornecer diagnósticos rápidos, precisos e acessíveis, pode ajudar na luta global contra o vírus mortal.

O teste, desenvolvido por engenheiros biomédicos e virologistas da Universidade de Glasgow, fornece resultados de fluxo lateral semelhantes a um teste doméstico COVID-19 em cerca de 30 minutos.

Em um novo artigo publicado hoje na revista Nature Communications, a equipe de pesquisa descreve como desenvolveram o sistema. Ele se baseia em avanços anteriores em diagnóstico rápido e virologia na Universidade, apresentando resultados com 98% de precisão.

Estima-se que a hepatite C, um vírus transmitido pelo sangue que danifica o fígado, afeta mais de 70 milhões de pessoas em todo o mundo. Os efeitos do vírus no fígado são lentos e os pacientes podem não perceber que estão infectados até ficarem gravemente doentes com complicações como cirrose ou câncer.

Se a infecção for detectada antes de avançar significativamente, ela pode ser tratada de forma eficaz com medicamentos de baixo custo e prontamente disponíveis. No entanto, até 80 por cento das pessoas com o vírus não sabem da sua infecção até que ocorram complicações clínicas.

Como consequência, cerca de 400,000 pessoas em todo o mundo morrem de doenças relacionadas à hepatite C a cada ano, muitas das quais poderiam ter sido salvas por um diagnóstico e tratamento precoce.

WTM Londres 2022 acontecerá de 7 a 9 de novembro de 2022. Registe-se agora!

Atualmente, as infecções por hepatite C são diagnosticadas em condições laboratoriais por meio de um processo de duas etapas que analisa o sangue para a presença de anticorpos e detecção do RNA do vírus ou antígenos essenciais.

O processo pode levar um tempo significativo para entregar os resultados, aumentando a probabilidade de que alguns pacientes que fazem o teste não voltem para saber do resultado. O acesso aos testes também é limitado em países de baixa e média renda, onde vive uma maioria significativa das pessoas com hepatite C. 

Embora testes mais portáteis capazes de fornecer resultados rápidos tenham sido desenvolvidos nos últimos anos, sua precisão pode ser limitada, particularmente em diferentes genótipos humanos.

O novo sistema da equipe liderada pela Universidade de Glasgow, no entanto, é mais adequado para uso em todo o mundo. É adaptado de um sistema semelhante desenvolvido para fornecer um diagnóstico rápido de malária, que foi testado com resultados encorajadores em Uganda.

O dispositivo usa folhas de papel de cera dobrado como origami para preparar amostras para um processo conhecido como amplificação isotérmica mediada por loop, ou LAMP. O processo de dobrar o papel permite que a amostra seja processada e entregue a três pequenas câmaras em um cartucho, que a máquina LAMP aquece e usa para testar as amostras quanto à presença de RNA da hepatite C. A técnica é suficientemente simples para ter potencial, no futuro, de ser entregue em campo, a partir de uma amostra de sangue retirada de um paciente por meio de picada no dedo.

O processo leva cerca de 30 minutos. Os resultados são fornecidos por meio de uma faixa de fluxo lateral de fácil leitura, como um teste de gravidez ou um teste caseiro COVID-19, que mostra duas bandas para um resultado positivo e uma banda para um negativo.

Para testar seu protótipo, a equipe usou o sistema para analisar 100 amostras anônimas de plasma sanguíneo de pacientes com infecção crônica por HCV e outras 100 amostras de pacientes HCV-negativos, que atuaram como um grupo de controle. As amostras também foram testadas usando um ensaio Abbott RealTime para hepatite C padrão da indústria para confirmar os resultados de LAMP. Os testes LAMP forneceram resultados que foram 98% precisos.

A equipe ESTÁ com o objetivo de usar o sistema em testes de campo na África Subsaariana no próximo ano.

O artigo da equipe, intitulado 'Amplificação isotérmica mediada por loop como uma ferramenta poderosa para o diagnóstico precoce do vírus da hepatite C', foi publicado na Nature Communications. A pesquisa foi apoiada por financiamento do Conselho de Pesquisa em Ciências Físicas e Engenharia (EPSRC), Conselho de Pesquisa Médica e o Wellcome Trust.

Notícias relacionadas

Sobre o autor

Linda Hohnholz, editora da eTN

Linda Hohnholz escreve e edita artigos desde o início de sua carreira profissional. Ela aplicou essa paixão inata a lugares como a Hawaii Pacific University, a Chaminade University, o Hawaii Children's Discovery Center e agora o TravelNewsGroup.

Subscrever
Receber por
convidado
0 Comentários
Comentários em linha
Ver todos os comentários
0
Adoraria seus pensamentos, por favor, comente.x
Compartilhar com...