Clique aqui para exibir SEUS banners nesta página e pague apenas pelo sucesso

Conselho de Turismo Africano . País | Região . News . Pessoas . Ruanda . Agricultura . Turismo

Três ex-chefes de Estado africanos lideram nova Conferência de Conservação de Ruanda

O governo de Ruanda escolheu três ex-chefes de Estado africanos para liderar a conferência inaugural de conservação internacional a ser realizada em Kigali no início de março deste ano.

Relatórios do Ministério do Meio Ambiente de Ruanda indicam que o governo de Ruanda escolheu então três Chefes de Estado africanos para liderar a sessão inaugural do União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN) A conferência do Congresso de Áreas Protegidas da África (APAC) está programada para ocorrer em Kigali de 7 a 12 de março deste ano.

Os ex-líderes africanos selecionados são o ex-primeiro-ministro da Etiópia, Sr. Hailemariam Desalegn, o ex-presidente do Níger, Sr. Issoufou Mahamadou, e o ex-presidente do Botswana, Sr. Festus Mogae.

A realizar-se em África pela primeira vez, a cimeira será convocada pela IUCN, o Governo do Ruanda e a Africa Wildlife Foundation AWF). A cimeira será realizada numa altura crítica em que África necessita de mais de 700 mil milhões de dólares americanos para a conservação e protecção da sua biodiversidade.

Espera-se que a conferência (cúpula) melhore o status de conservação na África, envolvendo governos, setor privado, sociedade civil, povos indígenas e comunidades locais, em seguida, a academia para moldar a agenda da África para áreas protegidas e conservadas, disse o Ministério do Meio Ambiente de Ruanda. em um comunicado.

Espera-se que o ex-primeiro-ministro etíope Hailemariam Desalegn discuta um caminho que equilibre o crescimento econômico com a conservação do capital natural da África.

“Isso precisará ser feito por meio de escolhas estratégicas e investimentos impulsionados pelo melhor conhecimento disponível e pensamento de longo prazo”, disse Desalegn.

A Ministra do Meio Ambiente de Ruanda, Jeanne d'Arc Mujawamariya, disse que isso veio na hora certa, embora ainda haja um caminho a percorrer.

“A APAC chega em um momento em que há uma crescente atenção global em nosso relacionamento tenso com a natureza, mas não estamos investindo o suficiente nos sistemas naturais dos quais dependemos”, disse ela.

Ela disse em sua declaração que a África gasta menos de 10 por cento do que é necessário para proteger e restaurar a natureza.

“As áreas protegidas devem ter acesso ao financiamento necessário para uma gestão eficaz e, assim, cumprir seu papel de fornecer proteção essencial da biodiversidade e serviços ecossistêmicos para as pessoas e o desenvolvimento”, observou ela.

Mahamadou, um dos líderes da conferência, disse que a capacidade de liderança deve moldar as decisões que afetarão o futuro da África.

“A APAC procura promover deliberadamente diálogos que construam e empoderem a atual e a próxima geração de líderes para realizar um futuro africano onde a biodiversidade seja valorizada como um ativo que contribui para o desenvolvimento”, disse ele.

Ele acrescentou que o congresso inaugural pretende mudar a face da conservação e liderar os esforços de mitigação das mudanças climáticas em larga escala.

Mogae, líder do congresso, reafirmou que a APAC deve ser um ponto de virada para a relação entre a comunidade global e as instituições africanas.

“Como africanos, reconhecemos o papel fundamental que a comunidade global e as organizações internacionais desempenharam nos últimos 60 anos. É necessário que as comunidades e instituições africanas estejam ativamente envolvidas na agenda de conservação para apropriação e integração dentro das aspirações e visão para a África que queremos”, disse ele.

Notícias relacionadas

Sobre o autor

Apolinari Tairo - eTN Tanzânia

Deixe um comentário

Compartilhar com...