News

Segurança de companhias aéreas cai na Ásia

00_1210630716
00_1210630716
Escrito por editor

O acidente do avião One-Two-Go Airlines em Phuket e uma série de acidentes na Indonésia rebaixaram os registros de segurança das transportadoras da Ásia-Pacífico no ano passado.

A taxa de acidentes com aeronaves civis da região aumentou para 2.76 perdas de casco por milhão de voos, em comparação com 0.67 no ano anterior, segundo a Associação Internacional de Transporte Aéreo (IATA).

O acidente do avião One-Two-Go Airlines em Phuket e uma série de acidentes na Indonésia rebaixaram os registros de segurança das transportadoras da Ásia-Pacífico no ano passado.

A taxa de acidentes com aeronaves civis da região aumentou para 2.76 perdas de casco por milhão de voos, em comparação com 0.67 no ano anterior, segundo a Associação Internacional de Transporte Aéreo (IATA).

Acidentes trágicos na África, Indonésia e Brasil elevaram a taxa global de acidentes para 0.75 perdas de casco para cada milhão de voos de jatos construídos no Ocidente de 0.65 em 2006.

O número de mortes globais caiu 19% de 855 para 692, mesmo com o número de passageiros subindo 6% para mais de 2.2 bilhões.

Em números absolutos, houve 100 acidentes em 2007 (57 jatos, 43 turboélices) em comparação com 77 em 2006 (46 jatos, 31 turboélices).

WTM Londres 2022 acontecerá de 7 a 9 de novembro de 2022. Registe-se agora!

Apesar do aumento das taxas de acidentes, o diretor-geral da IATA, Giovanni Bisignani, afirmou que as viagens aéreas continuam sendo o meio de transporte mais seguro.

Nos 10 anos a partir de 1998, a taxa de acidentes caiu quase pela metade, de 1.34 por milhão de voos para 0.75.

O número de mortes caiu significativamente em 2007.

“Isso é uma boa notícia. Mas nosso objetivo é sempre fazer melhor: zero fatalidades e zero acidentes”, afirmou.

A Rússia e os antigos estados soviéticos não tiveram acidentes, após um ano desastroso em 2006.

Com 0.09 e 0.29 acidentes por milhão de voos, a América do Norte e a Europa tiveram taxas de perda de casco significativamente melhores do que a média global.

A África teve o pior recorde com 4.09 perdas de casco por milhão de voos. Embora isso seja uma melhoria em relação ao ano passado, ainda é seis vezes menos seguro voar na África do que no resto do mundo, disse o grupo com sede em Genebra que representa 240 companhias aéreas.

Quase metade dos acidentes do ano ocorreu durante o pouso. Vários poderiam ter sido evitados pelo início de uma manobra oportuna.

Quase 20% de todos os acidentes em 2007 foram relacionados a danos ao solo. A falta de padronização pode contribuir para atividades de manuseio em solo que danificam aeronaves.

bangkokpost. com

Notícias relacionadas

Sobre o autor

editor

A editora-chefe da eTurboNew é Linda Hohnholz. Ela está sediada na sede da eTN em Honolulu, Havaí.

Compartilhar com...