Clique aqui para exibir SEUS banners nesta página e pague apenas pelo sucesso

País | Região . Notícias do Governo . News . Rússia . Ucrânia . EUA . WTN

Como Blinken vê Putin e uma nova União Soviética

US Travel elogia a confirmação de Antony Blinken como Secretário de Estado
Escrito por Juergen T Steinmetz

Hoje, em entrevista divulgada pelo Departamento de Estado dos EUA Secretário Antony J. Blinken com Andrea Mitchell da NBC O ponto de discussão foi o presidente Vladimir Putin da Rússia e seus próximos planos de guerra e visão para a Ucrânia.

QUESTÃO:  Sr. Secretário, muito obrigado por estar conosco. Eu queria perguntar a você sobre o que está acontecendo agora. O presidente do Joint Chiefs disse ao Congresso que isso provavelmente durará anos, esta guerra. Uma guerra prolongada vai durar anos, de acordo com o presidente do Joint Chiefs. O novo compromisso de hoje de Javelins, armas antitanque para a Ucrânia encurtará esse prazo?

SECRETÁRIO BLINKEN:  Andrea, queremos que isso termine o mais rápido possível, e é exatamente por isso que estamos nos certificando de que estamos fazendo tudo o que podemos para apoiar a Ucrânia e dar-lhes a assistência de que precisam para pressionar e aumentar a pressão sobre a Rússia, mesmo enquanto fortalecemos nossas – as defesas de nossa Aliança da OTAN.

QUESTÃO:  Então e os Javelins?

SECRETÁRIO BLINKEN:  Então, os dardos, acabamos de fazer – o presidente autorizou outros US$ 100 milhões em um saque que fornecerá mais dardos para nossos parceiros ucranianos. Coloque isso em perspectiva: entre os Estados Unidos e outros aliados e parceiros, para cada tanque russo na Ucrânia, fornecemos ou forneceremos em breve 10 sistemas antitanque – 10 para cada tanque russo. Então, em termos do que eles precisam para agir com rapidez e eficácia, para lidar com os aviões que estão atirando neles dos céus, os tanques que estão tentando destruir suas cidades a partir do solo, eles têm as ferramentas de que precisam, eles vamos continuar recebendo-os, e vamos continuar sustentando isso.

Mas ao ponto do presidente, e o presidente disse isso também, por mais que queiramos que isso termine o mais rápido possível para impedir a morte e a destruição que está sendo causada pela Rússia na Ucrânia, também há um cenário pelo qual isso continua por algum tempo. Os russos, mesmo movendo suas forças, recuaram de Kiev, recuaram do norte e do oeste, estão consolidando forças no leste, no Donbas. Eles ainda têm muita força. Os ucranianos têm algo mais que, em última análise, é mais forte, que é uma determinação feroz e vontade de defender seu país com o apoio de muitos países ao redor do mundo.

QUESTÃO:  Eles podem vencer?

SECRETÁRIO BLINKEN:  Então, em última análise, sim, porque o que é sucesso, o que é vitória? Ele está segurando a soberania e independência de seu país. E não há cenário pelo qual ao longo do tempo isso não aconteça. O problema é que pode levar tempo e, enquanto isso, uma tremenda morte e destruição. Mas o que é tão poderoso aqui é que os ucranianos deixaram bem claro que não se submeterão à vontade de Vladimir Putin.

QUESTÃO:  Mas não importa o quanto demos a eles, como a Ucrânia pode durar contra a Rússia no longo prazo, a menos que os EUA e outros países garantam suas fronteiras, sua segurança, como o presidente Zelenskyy quer?

SECRETÁRIO BLINKEN:  Bem, as primeiras coisas primeiro. A primeira coisa é ver que essa agressão da Rússia chegue ao fim, que haja um cessar-fogo, que a Rússia retire suas forças e que a Ucrânia afirme sua soberania e sua independência. Mas então, sim, temos que fazer coisas para garantir que, com o melhor de nossa capacidade e da capacidade da Ucrânia, isso não possa acontecer novamente, que a Rússia seja dissuadida, que a Ucrânia seja defendida. Estamos tendo conversas constantes com...

QUESTÃO:  Vamos garantir isso?

SECRETÁRIO BLINKEN:  Então estamos tendo—

QUESTÃO:  Os EUA vão se envolver mais?

SECRETÁRIO BLINKEN:  Estamos tendo conversas constantes com nossos parceiros ucranianos praticamente diariamente, inclusive sobre o que nós e outros poderíamos fazer no caso de uma negociação bem-sucedida para defendê-los e ajudá-los a se defender no futuro. Tudo isso é assunto de conversas agora. Não vou me adiantar a isso, mas faremos tudo o que pudermos, outros farão o que puderem para garantir que a Ucrânia possa se defender e impedir que a agressão seja repetida pela Rússia.

QUESTÃO:  O presidente Putin disse que quer recriar a União Soviética, a glória da União Soviética. Com essas ambições, como a Ucrânia pode estar segura enquanto Putin estiver no poder?

SECRETÁRIO BLINKEN:  Bem, duas coisas: primeiro, em termos do que a Rússia se propôs a fazer, o que Putin se propôs a fazer na Ucrânia, isso já foi um revés estratégico, se não um fracasso. Porque lembre-se, Andrea, o objetivo que Putin estabeleceu em suas próprias palavras foi eliminar a soberania e a independência da Ucrânia. Ele a vê como um estado que não merece ser independente, que precisa ser subsumido em algum tipo de Rússia maior. Isso não está acontecendo, não apenas a retirada de Kiev, mas o fato de que, não importa como você jogue isso, os ucranianos não vão se submeter a uma ditadura russa.

QUESTÃO:  Ele é mais popular do que nunca em casa.

SECRETÁRIO BLINKEN:  Então ele pode ser por enquanto mais popular. Claro, se você estivesse sendo alimentado com uma dieta constante, manhã, meio-dia e noite de propaganda, o que infelizmente o povo russo é, isso mostra a popularidade que ele tem. Ao mesmo tempo, quando as pessoas estão respondendo às pesquisas, elas podem ter muito medo de dar uma resposta verdadeira. Há agora uma pena criminal de 15 anos para quem de alguma forma se opuser à chamada operação militar especial. Então você tem que levar isso com um grão de sal.

Dito isso, acho que há um problema fundamental real, que é os russos não obterem as informações factuais de que precisam para fazer julgamentos por si mesmos, e isso é por causa de um sistema que Vladimir Putin aperfeiçoou no qual essa informação é negada. eles.

QUESTÃO:  O presidente Biden chamou Putin de açougueiro, criminoso de guerra. Você disse que os responsáveis ​​pelos crimes em Bucha e aqueles que os ordenaram serão responsabilizados.

SECRETÁRIO BLINKEN:  Está certo.

QUESTÃO:  Como isso pode acontecer sem que Vladimir Putin seja julgado?

SECRETÁRIO BLINKEN:  Primeiro, Andrea, as rodas da responsabilização podem se mover lentamente, mas elas se movem, e algum dia, de alguma forma, em algum lugar, aqueles que cometeram esses crimes e aqueles que ordenaram os crimes serão responsabilizados. Mas leva tempo, e parte disso é construir o caso, parte disso – o que estamos fazendo e outros estão fazendo. Parte – há um promotor especial ucraniano que está trabalhando nisso. Estamos apoiando seus esforços. Criamos nas Nações Unidas, no Conselho de Direitos Humanos, uma Comissão de Inquérito que também está analisando isso. Estamos apoiando esses esforços, construindo o caso, obtendo as provas, documentando-as. O Tribunal Penal Internacional também está analisando isso.

Mas tudo isso vai acontecer com o tempo, e temos que construir o caso, temos que obter as evidências, temos que documentá-las – estamos fazendo tudo isso. Então, isso é no próximo mês, no próximo ano, em cinco anos? Pode levar tempo, mas acho – posso garantir que haverá um esforço incansável para garantir que os responsáveis ​​pelo que estamos vendo sejam responsabilizados. E o que estamos vendo, Andrea, é que acho que está além do que qualquer um de nós poderia prever. Dissemos antes que a Rússia cometesse essa agressão que haveria atrocidades, que era uma parte deliberada de sua campanha. E mesmo sabendo disso, quando essa maré russa recuou de Bucha e vimos a morte e a destruição deixadas em seu rastro, e vimos o que parecia, incluindo pessoas que foram assassinadas - e de fato, com as mãos atadas - executadas, seus mãos atadas atrás das costas – o abuso cometido contra as mulheres, contra as crianças, é horrível. E tem que haver responsabilidade por isso.

QUESTÃO:  Você viu o vídeo que o presidente Zelenskyy forneceu às Nações Unidas, ou outras imagens de Bucha? Como você descreve, as atrocidades, você tem filhos pequenos. O que você diz aos seus filhos? O que você diria a eles?

SECRETÁRIO BLINKEN:  Bem, felizmente, eles são muito pequenos para realmente ver isso, ser capaz de digerir e entender.

QUESTÃO:  Mas algum dia, eles vão – eles vão –

SECRETÁRIO BLINKEN:  Mas algum dia eles vão. E tenho que te dizer, Andrea, eu acho – e suspeito que a maioria de nós tenha a mesma reação, especialmente aqueles que têm filhos ou até mesmo crianças pequenas – você se coloca no lugar do pai, da mãe, do avô, a avó que está no meio disso, que está sofrendo isso, cujas vidas de filhos estão em jogo ou em perigo, ou que se perderam. E isso bate em você – eu disse outro dia, ver essas imagens do Bucha foi como um soco no estômago. Isso tira o vento de você. Você pode saber algo intelectualmente, mas quando você vê essas imagens e traduz isso para sua própria vida, quando você se pergunta: “E se isso estivesse acontecendo na minha cidade, com meus filhos? Para a minha família?" Acho que isso só reforça nossa determinação de fazer tudo o que pudermos para apoiar os ucranianos, pressionar a Rússia e acabar com isso o mais rápido possível.

QUESTÃO:  Sua embaixadora da ONU, Linda Thomas-Greenfield, descreveu essas atrocidades e as comparou por extensão ao Holocausto. Falou sobre o que o conselho em Mariupol havia descrito, pessoas à força – dezenas de milhares – tiradas de suas casas, levadas para a Rússia e colocadas em campos. Não é essa a própria definição de genocídio?

SECRETÁRIO BLINKEN:  Bem, temos que obter todas as informações, todas as provas. Temos que, como eu disse, documentar tudo o que aconteceu, entender completamente o que aconteceu. É uma ironia interessante em certo sentido. Esta é, de certa forma, a guerra mais documentada em tempo real que vivemos por causa da tecnologia, por causa dos telefones inteligentes, por causa da incrível coragem dos repórteres que permaneceram na Ucrânia. Mas mesmo assim, as coisas que não estamos vendo em tempo real, incluindo Bucha – e é só quando a maré baixa que você vê o que realmente aconteceu.

Então eu acho que vamos aprender muito mais nos próximos dias e semanas. Receio que o que vamos aprender seja ainda mais horrível.

QUESTÃO:  Sabemos alguma coisa sobre o que está acontecendo nesses campos russos com ucranianos e temos alguma esperança de recuperá-los?

SECRETÁRIO BLINKEN:  Não temos boas informações sobre isso, mas certamente estamos fazendo tudo o que podemos. Outros países estão fazendo tudo o que podem para garantir que qualquer pessoa detida seja libertada.

QUESTÃO:  Os EUA prometeram acolher 100,000 desses milhões de refugiados. A Europa abriu as suas portas, colocou-os nas suas casas.

SECRETÁRIO BLINKEN:  Eles têm.

QUESTÃO:  A NBC informou sobre pelo menos duas mulheres, duas mulheres ucranianas na fronteira sul, que foram levadas e por duas semanas colocadas atrás de arame farpado e às vezes algemadas em um campo do ICE. Como podemos fazer isso em comparação com a forma como a Europa os recebe?

SECRETÁRIO BLINKEN:  Bem, eu não estou ciente desses relatórios. É algo que certamente vou investigar. Mas aqui está o que está acontecendo. Em primeiro lugar, os europeus foram extraordinários em sua generosidade, em abrir seus corações, abrir seus braços, abrir suas casas para tantas pessoas. Nossos amigos na Polônia, em primeira instância, tiveram mais de 2 milhões de pessoas passando pela Polônia. Muitos dos refugiados – a maioria deles, na verdade – querem ficar perto de casa porque o que você está vendo, Andrea – e eu sei que você viu isso em primeira mão – é que praticamente todo mundo é mulher e crianças. A maioria dos homens entre 18 e 60 anos ficou na Ucrânia para lutar. Eles gostam de ficar por perto. Elas querem voltar, querem se reencontrar com seus maridos, com seus irmãos, com seus filhos. E uma vez que estão na Europa, eles também têm muita liberdade de movimento e a capacidade de se reunir com outros membros da família lá.

Dito isso, o presidente Biden deixou claro que receberemos 100,000 ucranianos. Estavam --

QUESTÃO:  Existe um prazo?

SECRETÁRIO BLINKEN:  Então é por um período de tempo. O que estamos fazendo agora é analisar quais são os caminhos legais que podemos fazer porque existe o programa normal de refugiados, mas isso, por definição, leva muito tempo. Leva alguns anos -

QUESTÃO:  Pergunta rápida antes que percamos tempo: sanções.

SECRETÁRIO BLINKEN:  Sim.

QUESTÃO:  Novas sanções, agora a Europa está colocando novas sanções. A China e a Índia continuam comprando combustível da Rússia e alimentando essa guerra, ajudando a financiar a guerra de Putin. Por que não estamos sancionando a China e a Índia?

SECRETÁRIO BLINKEN:  Então, em primeira instância, Andrea, essas sanções estão tendo um impacto dramático.

QUESTÃO:  Mas há grandes brechas, e a Europa ainda está comprando gás natural e ainda o fará por mais um ano.

SECRETÁRIO BLINKEN:  Há brechas que, pedaço por pedaço, um por um, estamos tentando fechar. Às vezes isso leva tempo. Mas vejamos o que já aconteceu. As sanções cumulativamente colocaram a economia russa em uma profunda recessão. E o que estamos vendo é uma provável contração da economia russa em cerca de 15%. Isso é dramático. Nós vimos outra coisa. Vimos um êxodo da Rússia de praticamente todas as grandes empresas do mundo. E Putin, em questão de semanas, basicamente fechou a Rússia para o mundo. Toda a abertura, toda a oportunidade que aconteceu nos últimos 30 anos se foi. E os russos sentirão isso, receio, em suas vidas diárias. Eles não poderão comprar as coisas que estão acostumados a comprar e não poderão comprar o que gostariam de comprar.

Além disso, os controles de exportação que implementamos, negando à Rússia a tecnologia necessária para modernizar indústrias críticas como defesa, como extração de energia – com o tempo, terão um impacto ainda maior.

Então, já estamos vendo um impacto dramático nisso. E sim, há lugares onde diferentes países estão fazendo coisas diferentes. Estamos trabalhando todos os dias para fechar isso.

QUESTÃO:  Pergunta rápida sobre o Irã antes de deixar você ir. Você está falando sobre o Irã aqui em Bruxelas. A Guarda Revolucionária do Irã – que atacou os americanos e nossos aliados – é uma organização terrorista?

SECRETÁRIO BLINKEN:  Então, eles são. E -

QUESTÃO:  Continuarão a ser?

SECRETÁRIO BLINKEN:  Não vou entrar em detalhes de onde estamos nas negociações. Eu diria simplesmente que não estou muito otimista com as perspectivas de realmente chegar a um acordo, apesar de todos os esforços que colocamos nele e apesar do fato de acreditar que estaríamos – nossa segurança seria melhor. Não estavam lá. Teremos que ver se podemos fechar...

QUESTÃO:  tempo está se esgotando?

SECRETÁRIO BLINKEN:  E o tempo está ficando extremamente curto. Mas isso é algo sobre o qual falaremos com nossos parceiros europeus esta tarde e ao longo do dia seguinte. Temos trabalhado em estreita coordenação com os europeus, com a União Europeia, com a França, com a Alemanha, com o Reino Unido.

Então vamos ver onde chegamos. Continuo acreditando que seria do melhor interesse de nosso país se pudéssemos voltar a cumprir o acordo, se o Irã fizer o mesmo. Não estavam lá.

QUESTÃO:  Muito obrigado, Sr. Secretário. Obrigado por sua paciência.

SECRETÁRIO BLINKEN:  Obrigado, Andreia.

QUESTÃO:  Bom te ver.

SECRETÁRIO BLINKEN:  Você também. Obrigado.

Sobre o autor

Juergen T Steinmetz

Juergen Thomas Steinmetz trabalhou continuamente na indústria de viagens e turismo desde que era adolescente na Alemanha (1977).
Ele achou eTurboNews em 1999 como o primeiro boletim informativo online para a indústria global de turismo de viagens.

Deixe um comentário

Compartilhar com...