Destino . editorial . Notícias do Governo . Saúde . Indústria Hoteleira . Investimento . News . Reconstruindo . Sudão . Turismo . Segredos de viagem . TENDÊNCIA . Reino Unido . EUA . Diversas Notícias

Primeiras vacinas COVAX na África: justo e equitativo?

vacina 2
Banco de dados COVID-19 de acesso aberto da OMS
Escrito por Galileu Violini

Esses casos isolados de vacinas sendo recebidas na África são um fato ultrajante, considerando que a maioria dos países que ainda esperam para receber as vacinas é africana?

  1. A questão da distribuição igualitária de vacinas é o maior teste moral que a comunidade global enfrenta.
  2. Uma distribuição fortemente desigual aumenta o contágio nos países que os recebem em menor ou nenhuma quantidade, o que favorece o surgimento de novas mutações.
  3. O impacto na conseqüente disseminação da infecção pode comprometer o efeito das políticas de vacinação dos países mais ricos.

Quase três meses após as primeiras vacinações no Reino Unido, houve uma notícia muito boa para a África que ontem o Sudão recebeu sua primeira entrega de 900,000 doses. Este foi coordenado pelo UNICEF no âmbito do programa COVAX. Outra boa notícia é o anúncio de que amanhã Uganda receberá seu primeiro lote de 854,000 doses, que também fazem parte dos 3.5 milhões que espera receber no âmbito desse programa.

Esta boa e esperada notícia não permite que o desigual abastecimento de vacinas seja varrido para debaixo do tapete, o que é principalmente consequência do entesouramento dos países mais ricos, da política das empresas farmacêuticas e de uma fragilidade dos países que o fazem. não afeta apenas as nações de renda mais baixa. Em sua intervenção na web viral no Parlamento Europeu, a Sra. Manon Aubry estendeu a acusação de fraqueza à União Europeia e a sua presidente, Ursula van Leyden, e chamou a atenção para as muitas cláusulas desconhecidas dos contratos de vacina.

Houve vários pedidos para suspender os direitos de propriedade intelectual (DPIs) das vacinas, pelo menos enquanto a pandemia de COVID-19 continua. A organização internacional competente para este assunto é a Organização Mundial do Comércio (OMC) que na reunião de seu Conselho Geral e de seus Comitês, agendada para 1 a 5 de março, deve tomar uma decisão sobre a proposta da Índia e da África do Sul que patenteia e outros DPIs sobre medicamentos, testes de diagnóstico e vacinas contra COVID-19 sejam suspensos durante a pandemia.

Esta proposta recebeu apoio da Organização Mundial de Saúde (OMS) e por Médicos Sem Fronteiras (MSF), cujo presidente internacional, Sr. Christos Cristou, solicitou o apoio do Presidente da União Européia e do Primeiro Ministro italiano, Sr. Mario Draghi, para que a proposta fosse aprovada. A identificação dos destinatários não foi acidental. Na verdade, os países europeus constituem a grande maioria da minoria dos países membros da OMC que se opõem à medida.

Notícias relacionadas

Sobre o autor

Galileu Violini

Compartilhar com...