Breaking Travel News . Canada . País | Região . Destino . Indústria Hoteleira . Direitos humanos . LGBTQ . News . Portugal . Suécia . Turismo . Notícias de viagens . TENDÊNCIA . Casamentos

Portugal, Suécia e Canadá são os países mais amigáveis ​​para viagens LGBT

0a1a-243
0a1a-243

Graças a melhorias legais para pessoas trans e intersex, bem como iniciativas contra crimes de ódio, Portugal conseguiu pela primeira vez saltar do 27º lugar para o topo do SPARTACUS Gay Travel Index, e agora partilha o 1º lugar com a Suécia e o Canadá .

O SPARTACUS Gay Travel Index é atualizado anualmente para informar os viajantes sobre a situação de lésbicas, gays, bissexuais e transgêneros (LGBT) em 197 países e regiões.

Uma das estrelas em ascensão deste ano é a Índia, que, graças à descriminalização da homossexualidade e a um clima social melhorado, subiu de 104 para 57 no Travel Index. Em 2018, a criminalização de atos homossexuais foi abolida em Trinidad e Tobago e em Angola também.

Com o reconhecimento legal do casamento entre pessoas do mesmo sexo, a Áustria e Malta também conseguiram garantir uma vaga no topo do SPARTACUS Gay Travel Index 2019.

No entanto, a situação dos viajantes LGBT no Brasil, Alemanha e EUA piorou. Tanto no Brasil quanto nos EUA, os governos conservadores de direita introduziram iniciativas para revogar os direitos LGBT conquistados no passado. Essas ações levaram a um aumento da violência homofóbica e transfóbica. Também houve um aumento da violência contra pessoas LGBT na Alemanha. A legislação moderna inadequada para proteger pessoas transgênero e intersex, bem como a falta de qualquer plano de ação contra a violência homofóbica, fez com que a Alemanha caísse do 3º para o 23º lugar.

A reunião global de viagens World Travel Market London está de volta! E você está convidado. Esta é a sua chance de se conectar com outros profissionais do setor, fazer networking peer-to-peer, aprender insights valiosos e alcançar o sucesso nos negócios em apenas 3 dias! Registre-se para garantir seu lugar hoje! acontecerá de 7 a 9 de novembro de 2022. Registe-se agora!

Países como Tailândia, Taiwan, Japão e Suíça estão sob observação especial. A situação deve melhorar em 2019, como resultado das discussões sobre a introdução de legislação para legalizar o casamento entre pessoas do mesmo sexo. A Tailândia já subiu 20 posições para 47 graças a uma campanha contra a homofobia e à introdução de leis para reconhecer as parcerias civis do mesmo sexo. A introdução já anunciada de leis de casamento entre pessoas do mesmo sexo pode tornar a Tailândia o destino turístico mais amigável para LGBT na Ásia.

Na América Latina, a decisão da Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH / CIDH) de exigir que quase todos os países latino-americanos reconheçam o casamento entre pessoas do mesmo sexo causou sensação. Até o momento, o casamento entre pessoas do mesmo sexo é legal apenas na Argentina, Colômbia, Brasil, Uruguai e em alguns estados individuais do México.

Alguns dos países mais perigosos para viajantes LGBT em 2019 incluem novamente a Arábia Saudita, o Irã, a Somália e a República Chechena na Rússia, onde os homossexuais são amplamente perseguidos e ameaçados de morte.

O SPARTACUS Gay Travel Index é montado usando 14 critérios em três categorias. A primeira categoria são os direitos civis. Entre outras coisas, avalia se gays e lésbicas podem se casar, se existem leis antidiscriminação em vigor ou se a mesma idade de consentimento se aplica a casais heterossexuais e homossexuais. Qualquer discriminação é registrada na segunda categoria. Isso inclui, por exemplo, restrições de viagens para pessoas soropositivas e a proibição de paradas de orgulho ou outras manifestações. Na terceira categoria, são avaliadas as ameaças a indivíduos por meio de perseguição, sentenças de prisão ou pena capital. As fontes avaliadas incluem a organização de direitos humanos “Human Rights Watch”, a campanha da ONU “Free & Equal” e informações durante todo o ano sobre violações dos direitos humanos contra membros da comunidade LGBT.

Notícias relacionadas

Sobre o autor

Editor Chefe de Atribuição

O editor-chefe de atribuição é Oleg Siziakov

Compartilhar com...