Clique aqui para exibir SEUS banners nesta página e pague apenas pelo sucesso

Companhias Aéreas . Aeroporto . Aviação . Breaking Travel News . Viagem de negócios . Notícias do Governo . Investimento . News . Pessoas . Reconstruindo . Responsável . Agricultura . Tecnologia . Turismo . Transportes . Notícias de viagens

IATA pede que a Ásia-Pacífico acelere sua recuperação da aviação de forma sustentável

IATA pede que a Ásia-Pacífico acelere sua recuperação da aviação de forma sustentável
IATA pede que a Ásia-Pacífico acelere sua recuperação da aviação de forma sustentável
Escrito por Harry johnson

A Associação Internacional de Transporte Aéreo (IATA) instou os estados da Ásia-Pacífico a facilitar ainda mais as medidas de fronteira para acelerar a recuperação da região do COVID-19.

“A Ásia-Pacífico está tentando retomar as viagens após o COVID-19, mas há um impulso crescente com os governos levantando muitas restrições de viagem. A demanda de pessoas para viajar é clara. Assim que as medidas são relaxadas, há uma reação positiva imediata dos viajantes. Portanto, é fundamental que todas as partes interessadas, incluindo os governos, estejam bem preparadas para o reinício. Não podemos atrasar. Os empregos estão em jogo e as pessoas querem viajar”, ​​disse Willie Walsh, IATA's Diretor Geral, em seu discurso de abertura na Cúpula de Aviação de Changi.

A demanda internacional de passageiros da região Ásia-Pacífico em março atingiu 17% dos níveis pré-COVID, depois de ter ficado abaixo de 10% na maior parte dos últimos dois anos. “Isso está muito abaixo da tendência global, onde os mercados se recuperaram para 60% dos níveis pré-crise. O atraso é por causa das restrições do governo. Quanto mais cedo eles forem levantados, mais cedo veremos uma recuperação no setor de viagens e turismo da região e todos os benefícios econômicos que isso trará”, disse Walsh.

Willie Walsh instou os governos da Ásia-Pacífico a continuarem flexibilizando as medidas e normalizando as viagens aéreas:

• Remoção de todas as restrições para viajantes vacinados.

• Remoção de testes de quarentena e COVID-19 para viajantes não vacinados onde há altos níveis de imunidade da população, que é o caso na maior parte da Ásia.

• Suspenda a obrigatoriedade da máscara para viagens aéreas quando não for mais necessária em outros ambientes internos e transporte público.

“Apoiar e, mais importante, acelerar a recuperação exigirá toda uma abordagem da indústria e do governo. As companhias aéreas estão trazendo de volta os voos. Os aeroportos precisam ser capazes de lidar com a demanda. E os governos precisam ser capazes de processar as autorizações de segurança e outras documentações para o pessoal-chave com eficiência”, disse Walsh.

China e Japão

Walsh observou que existem duas grandes lacunas na história de recuperação da Ásia-Pacífico: China e Japão.

“Enquanto o governo chinês continuar mantendo sua abordagem zero-COVID, é difícil ver as fronteiras do país reabrindo. Isso impedirá a plena recuperação da região.

Embora o Japão tenha tomado medidas para permitir viagens, não há um plano claro para a reabertura do Japão para todos os visitantes ou turistas que chegam. Mais precisa ser feito para facilitar ainda mais as restrições de viagem, começando com o levantamento da quarentena para todos os viajantes vacinados e removendo o teste de chegada no aeroporto e o limite diário de chegada. Exorto o governo do Japão a tomar medidas mais ousadas para a recuperação e abertura das fronteiras do país”, disse Walsh.

Sustentabilidade

Walsh também pediu aos governos da Ásia-Pacífico que apoiem os esforços de sustentabilidade do setor.

“As companhias aéreas se comprometeram a atingir emissões líquidas de carbono zero até 2050. A chave para o nosso sucesso serão os governos compartilhando a mesma visão. Há grandes expectativas de que os governos concordem com uma meta de longo prazo na Assembleia da ICAO no final deste ano. Alcançar o zero líquido exige que todos assumam sua responsabilidade. E entre as coisas mais importantes que os governos devem fazer está o incentivo à produção de combustíveis de aviação sustentáveis ​​(SAF). As companhias aéreas compraram cada gota de SAF disponível. Estão em andamento projetos que verão um rápido aumento na produção de SAF nos próximos anos. Vemos o SAF contribuindo com 65% da mitigação necessária para atingir o zero líquido em 2050. Isso exigirá que os governos sejam muito mais proativos”, disse Walsh.

Walsh reconheceu que houve desenvolvimentos positivos na Ásia-Pacífico. O Japão comprometeu fundos consideráveis ​​para iniciativas de aviação verde. Nova Zelândia e Cingapura concordaram em cooperar em voos verdes. “O Painel Consultivo Internacional de toda a indústria de Cingapura sobre um hub aéreo de aviação sustentável é um exemplo positivo para outros estados adotarem”, disse Walsh. Ele também pediu que a ASEAN e seus parceiros façam mais, principalmente procurando oportunidades na região para expandir a produção de SAF.

Notícias relacionadas

Sobre o autor

Harry johnson

Harry Johnson foi o editor de atribuição de eTurboNews por mais de 20 anos. Ele mora em Honolulu, Havaí, e é originário da Europa. Ele gosta de escrever e cobrir as notícias.

Deixe um comentário

Compartilhar com...