News

IATA corta perspectivas da indústria aérea para 2008 sobre combustível e crédito

000000_1197499115
000000_1197499115
Escrito por editor

GENEBRA (TVLW) – A IATA, órgão da indústria aérea, cortou sua previsão de lucros da indústria em 2008 na quarta-feira, alertando que o custo crescente do combustível e o impacto da crise de crédito reverteriam o crescimento esperado.

A Associação Internacional de Transporte Aéreo (IATA) reduziu sua previsão para os lucros da indústria em 2008 em um terço, para US$ 5 bilhões, já que os preços do petróleo se aproximam de US$ 100 o barril.

GENEBRA (TVLW) – A IATA, órgão da indústria aérea, cortou sua previsão de lucros da indústria em 2008 na quarta-feira, alertando que o custo crescente do combustível e o impacto da crise de crédito reverteriam o crescimento esperado.

A Associação Internacional de Transporte Aéreo (IATA) reduziu sua previsão para os lucros da indústria em 2008 em um terço, para US$ 5 bilhões, já que os preços do petróleo se aproximam de US$ 100 o barril.

Em setembro, havia previsto um lucro de US$ 7.8 bilhões no próximo ano, mas com base no petróleo a apenas US$ 70 o barril.

“Um ambiente econômico favorável e medidas de eficiência eficazes ajudaram a mitigar o impacto dos altos preços dos combustíveis e promoveram melhorias na estabilidade. Com a crise de crédito, isso está mudando”, disse o diretor geral da IATA, Giovanni Bisignani, em um briefing em Genebra.

“O pico do ciclo de negócios acabou e ainda temos US$ 190 bilhões em dívidas. Portanto, podemos estar caminhando para uma recessão com pouco dinheiro no banco para amortecer a queda”, disse ele.

WTM Londres 2022 acontecerá de 7 a 9 de novembro de 2022. Registe-se agora!

No entanto, o economista-chefe da IATA, Brian Pearce, acrescentou: “Isso é um pontinho, e não uma recessão”.

O órgão da indústria confirmou sua previsão de lucros da indústria no ano atual de US$ 5.6 bilhões.

As transportadoras internacionais, especialmente na Europa, estavam preocupadas com a turbulência no mercado de crédito dos EUA devido ao impacto potencial que isso teria nas condições de financiamento e viagens corporativas.

Os viajantes premium, geralmente clientes de negócios, respondem por 25 por cento do tráfego a bordo das cinco principais companhias aéreas europeias em voos transatlânticos, em comparação com 15 por cento para as principais transportadoras dos EUA, segundo dados da IATA.

O órgão do setor disse que as companhias aéreas norte-americanas verão o maior aperto de lucratividade em 2008, enquanto as companhias aéreas européias e asiáticas experimentarão mais quedas menores nos lucros.

No geral, estimou que os altos preços da energia adicionariam US$ 14 bilhões à conta de combustível da indústria em 2008, elevando-a para US$ 149 bilhões.

A IATA representa 280 companhias aéreas, cobrindo 95% do tráfego aéreo internacional.

reuters.com

Notícias relacionadas

Sobre o autor

editor

A editora-chefe da eTurboNew é Linda Hohnholz. Ela está sediada na sede da eTN em Honolulu, Havaí.

Compartilhar com...