Notícias

Mutilação Genital Feminina: Terminando Agora Ameaçada pela Pandemia

Escrito por editor

Escolas fechadas, bloqueios e interrupção dos serviços que protegem as meninas colocaram milhões em todo o mundo em risco aumentado de serem submetidos à MGF.

Isso significa que mais dois milhões de meninas podem ser afetadas até 2030, de acordo com a agência das Nações Unidas para a infância, UNICEF, resultando em uma redução de 33% nos esforços globais para a erradicação.

Perdendo terreno

“Estamos perdendo terreno na luta para acabar com a mutilação genital feminina, com consequências terríveis para milhões de meninas onde a prática é mais prevalente”, disse Nankali Maksud, Conselheira Sênior do UNICEF para Prevenção de Práticas Nocivas.

“Quando as meninas não têm acesso a serviços vitais, escolas e redes comunitárias, o risco de mutilação genital feminina aumenta significativamente – ameaçando sua saúde, educação e futuro.”

Ao marcar o Dia Internacional da Tolerância Zero para a Mutilação Genital Feminina, observado anualmente em 6 de fevereiro, as agências da ONU estão pedindo uma ação mais forte para defender os direitos humanos, a saúde e a integridade de mulheres e meninas.

Pelo menos 200 milhões em todo o mundo hoje foram submetidos à MGF, que se refere a todos os procedimentos que envolvem alterar ou ferir a genitália feminina por razões não médicas.

A MGF é realizada principalmente em meninas entre a infância e os 15 anos, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), e por uma variedade de razões culturais e sociais que variam de região para região.

Por exemplo, em algumas comunidades é considerado uma parte necessária para criar uma menina e prepará-la para a vida adulta e o casamento. Em outros, a MGF está associada a ideais culturais de feminilidade e modéstia.

As meninas submetidas à MGF apresentam complicações de curto prazo, como dor intensa, choque, sangramento excessivo, infecções e dificuldade em urinar. Há também impactos de longo prazo na saúde sexual e reprodutiva e na saúde mental.

'Medicalização' da MGF

A MGF é um problema global, de acordo com a ONU. Embora concentrada principalmente em 30 países da África e do Oriente Médio, também é praticada em alguns países da Ásia e América Latina e por populações imigrantes na Europa Ocidental, América do Norte, Austrália e Nova Zelândia.

Em alguns países ainda é quase universal. A UNICEF informa que cerca de 90 por cento das meninas em Djibuti, Guiné, Mali e Somália são afetadas.

A OMS também apontou para uma tendência emergente alarmante. Aproximadamente uma em cada quatro meninas que foram submetidas à MGF, ou 52 milhões em todo o mundo, foram cortadas por profissionais de saúde, o que é conhecido como medicalização.

Acabar com a MGF até 2030

As agências da ONU estão trabalhando para erradicar a MGF até 2030, como parte da estrutura dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS).

Desde 2008, o UNICEF e o Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) lideram um programa conjunto que se concentra em 17 países da África e do Oriente Médio, além de apoiar iniciativas regionais e globais.

Catorze desses países agora têm estruturas legais e políticas que proíbem a MGF, com quase 1,700 casos de aplicação legal e prisões.

Dada a perturbação causada pela pandemia, o programa conjunto adaptou intervenções que garantem a integração da MGF na resposta humanitária e pós-crise.

Investimento urgente agora

A ONU acredita que a MGF pode ser erradicada em uma geração, destacando que o progresso é possível ao garantir que as meninas tenham acesso à educação, saúde e emprego.

Embora as meninas hoje tenham um terço menos probabilidade de serem submetidas à prática em comparação com 30 anos atrás, o UNICEF disse que a ação agora deve ser acelerada em dez vezes devido à pandemia e outras crises sobrepostas, como aumento da pobreza, desigualdade e conflito.

Em sua mensagem para o Dia Internacional, o secretário-geral da ONU, António Guterres, destacou que “esta flagrante manifestação de desigualdade de gênero deve ser interrompida”.

Ele exortou as pessoas em todos os lugares a se unirem aos esforços da ONU para acabar com a MGF e defender os direitos humanos de todas as mulheres e meninas.

Disse o Sr. Guterres: “Com investimentos urgentes e ações oportunas, podemos cumprir a meta dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável de eliminar a mutilação genital feminina até 2030 e construir um mundo que respeite a integridade e autonomia das mulheres”.

Imprimir amigável, PDF e e-mail

Notícias relacionadas

Sobre o autor

editor

A editora-chefe da eTurboNew é Linda Hohnholz. Ela está sediada na sede da eTN em Honolulu, Havaí.

Deixe um comentário