Clique aqui para exibir SEUS banners nesta página e pague apenas pelo sucesso

Barbados . Breaking Travel News . Viagem de negócios . Caribe . Destino . Notícias do Governo . Indústria Hoteleira . News . Responsável . Agricultura . Turismo . Notícias de viagens

Barbados: a hora é agora para o turismo responsável

Senadora Lisa Cummins no Fórum de Aviação - imagem cortesia de T. Barker, Serviço de Informações do Governo de Barbados
Escrito por Sheena Forde-Craigg

A embaixadora de Barbados, Elizabeth Thompson, enfatizou que agora é a hora de criar um destino sustentável e resiliente.

A Embaixadora Extraordinária e Plenipotenciária de Barbados para Mudanças Climáticas, Lei do Mar e Pequenos Estados Insulares em Desenvolvimento, Elizabeth Thompson, enfatizou que agora é a hora de criar um destino sustentável e resiliente que seja benéfico tanto para os moradores quanto para os visitantes.

Explicou que é visível o impacto dos choques externos no turismo, como as alterações climáticas e a COVID-19, ao falar na Turismo em Barbados Marketing Inc. (BTMI), segundo Visite Barbados Stakeholder Forum, realizado recentemente no Lloyd Erskine Sandiford Center.

Falando sobre o tema “Levando o Turismo para a Sustentabilidade e a Resiliência Climática”, o Embaixador Thompson destacou que, de acordo com o Resultado Seminal da Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável do Rio de 1992, a sustentabilidade é identificada por três pilares – sociedade, economia e meio ambiente.

E é contra esses pilares, afirmou, que o turismo deve avaliar sua vulnerabilidade ou viabilidade diante de choques exógenos ou externos e desenvolver um produto turístico sustentável.

Ela observou que pesquisas de bancos multilaterais de desenvolvimento mostram que os países do Caribe estão localizados na segunda região do mundo mais dependente do turismo e, junto com a América Latina, na segunda região do mundo mais propensa a desastres, e, portanto, é imperativo que Barbados constrói sua resiliência.

“Resiliência é essencialmente resistência.”

“É a capacidade de enfrentar a adversidade; reduzir seus impactos e se recuperar bem e no menor tempo possível”, disse a Sra. Thompson.

O Embaixador declarou que, para construir sustentabilidade e resiliência no setor do turismo, “estudos rápidos e aprofundados” devem ser realizados pelas autoridades de turismo.

“Em virtude de nossas vulnerabilidades, pequenos estados insulares em desenvolvimento, como Barbados, esgotaram o luxo do tempo para realizar longas contemplações filosóficas sobre quais ações corretivas ou adaptativas podem ser tomadas para combater os impactos climáticos”, afirmou.

Ela acrescentou que Barbados e CARICOM estavam muito atrasados ​​em lidar com o fenômeno que é a mudança climática e seus efeitos, que é “literalmente uma questão de vidas e meios de subsistência para nós”.

O embaixador Thompson compartilhou algumas informações sobre como Barbados poderia construir um produto turístico resiliente. Isso incluía proteger as costas e os recifes de coral; equilibrar o planejamento e o crescimento projetado no setor de turismo com nossa capacidade de fornecer espaço, transporte, água, alimentos e outros recursos naturais para atender às necessidades e demandas desse crescimento; precaver-se contra o excesso de turismo, que coloca a questão do crescimento constante como o motor imperativo e principal em que se baseia a nossa abordagem da política de turismo; e reconstrução ou reforço de infra-estruturas turísticas pré-existentes.

Também falaram no fórum outros especialistas em turismo e desenvolvimento sustentável, incluindo o CEO da Travel Foundation, Jeremy Sampson; Diretora Administrativa do Programa STAMP no Centro para Empresas Globais Sustentáveis ​​da Universidade de Cornell, Dra. Megan Epler-Wood; CEO da Sustainable Travel International (STI), Paloma Zapata, e CEO da BTMI, Dr. Jens Thraenhart.

Na terça-feira, 28 de junho, e na quarta-feira, 29 de junho, o BTMI e o STI organizaram 2 workshops especiais de ação climática para iluminar o roteiro para o zero líquido.

Esses workshops visavam acelerar a descarbonização das operações de turismo da ilha, envolvendo uma ampla seção transversal do setor de turismo na remoção de carbono; tudo para garantir que o desenvolvimento do turismo de Barbados seja conduzido de forma sustentável.

Notícias relacionadas

Sobre o autor

Sheena Forde-Craigg

Deixe um comentário

Compartilhar com...