Leia-nos | Nos escute | Assista-nos | Regista-te em Eventos ao vivo | Desligue os anúncios | Viver |

Clique no seu idioma para traduzir este artigo:

Afrikaans Afrikaans Albanian Albanian Amharic Amharic Arabic Arabic Armenian Armenian Azerbaijani Azerbaijani Basque Basque Belarusian Belarusian Bengali Bengali Bosnian Bosnian Bulgarian Bulgarian Cebuano Cebuano Chichewa Chichewa Chinese (Simplified) Chinese (Simplified) Corsican Corsican Croatian Croatian Czech Czech Dutch Dutch English English Esperanto Esperanto Estonian Estonian Filipino Filipino Finnish Finnish French French Frisian Frisian Galician Galician Georgian Georgian German German Greek Greek Gujarati Gujarati Haitian Creole Haitian Creole Hausa Hausa Hawaiian Hawaiian Hebrew Hebrew Hindi Hindi Hmong Hmong Hungarian Hungarian Icelandic Icelandic Igbo Igbo Indonesian Indonesian Italian Italian Japanese Japanese Javanese Javanese Kannada Kannada Kazakh Kazakh Khmer Khmer Korean Korean Kurdish (Kurmanji) Kurdish (Kurmanji) Kyrgyz Kyrgyz Lao Lao Latin Latin Latvian Latvian Lithuanian Lithuanian Luxembourgish Luxembourgish Macedonian Macedonian Malagasy Malagasy Malay Malay Malayalam Malayalam Maltese Maltese Maori Maori Marathi Marathi Mongolian Mongolian Myanmar (Burmese) Myanmar (Burmese) Nepali Nepali Norwegian Norwegian Pashto Pashto Persian Persian Polish Polish Portuguese Portuguese Punjabi Punjabi Romanian Romanian Russian Russian Samoan Samoan Scottish Gaelic Scottish Gaelic Serbian Serbian Sesotho Sesotho Shona Shona Sindhi Sindhi Sinhala Sinhala Slovak Slovak Slovenian Slovenian Somali Somali Spanish Spanish Sudanese Sudanese Swahili Swahili Swedish Swedish Tajik Tajik Tamil Tamil Thai Thai Turkish Turkish Ukrainian Ukrainian Urdu Urdu Uzbek Uzbek Vietnamese Vietnamese Xhosa Xhosa Yiddish Yiddish Zulu Zulu

Destruir navios de cruzeiro é um grande negócio na Turquia

Os negócios estão crescendo no Estaleiro Aliaga, no oeste da Turquia, onde cinco enormes navios de cruzeiro estão sendo desmantelados para vendas de sucata depois que a pandemia COVID-19 quase destruiu a indústria de cruzeiros.

A reciclagem de navios na Turquia é realizada em uma zona industrial que é estatal e alugada para empresas privadas. Os estaleiros estão localizados em Aliaga, cerca de 50 km ao norte de Izmir, na costa do Mar Egeu, em uma área que abriga um grande aglomerado de indústrias pesadas. 

A zona de reciclagem de navios foi estabelecida pela primeira vez por um decreto do governo em 1976. A maioria dos trabalhadores é originária de Tokat e Sivas, no leste da Turquia, e se estabeleceu em Aliaga. Os estaleiros de reciclagem de navios turcos aplicam o chamado método de pouso. A proa do navio está ancorada na costa enquanto a popa ainda está flutuando. Os blocos são então içados por guindastes para uma área de trabalho drenada e impermeável. Os pátios não recorrem ao método da gravidade, ou seja, lançam blocos na água ou na praia.

Em 2002, o Greenpeace relatou más condições para a saúde dos trabalhadores e para o meio ambiente nos estaleiros navais turcos. Os pesquisadores descobriram que nenhuma proteção adequada foi fornecida para os trabalhadores e nenhuma medida adequada estava em vigor para prevenir a contaminação ambiental. Em reação às críticas internacionais, o Governo da Turquia introduziu novos procedimentos para a gestão de resíduos perigosos. Em 2009, a ONG Shipbreaking Platform deu seguimento a um novo relatório sobre a gestão de resíduos a jusante. Ele identificou um progresso significativo, embora as preocupações permaneçam relacionadas a certos fluxos de resíduos, como o descarte de metais pesados ​​e PCBs. 

Desde então, os recicladores de navios turcos e o Governo têm continuado a melhorar as práticas na Aliaga, tanto no que diz respeito às normas ambientais como sociais, incluindo o alinhamento do enquadramento legal com as convenções ambientais internacionais. Os estaleiros abriram suas portas para pesquisadores independentes, consultores e especialistas. Além disso, a cooperação com governos europeus para desmantelar navios da marinha obsoletos ajudou ainda mais a melhorar as práticas. Os estaleiros turcos mais avançados aderiram à International Ship Recycler's Association (ISRA). 

ONGs e grupos locais de direitos trabalhistas, incluindo o parceiro da plataforma Istanbul Health and Safety Labour Watch (IHSLW), também permanecem preocupados com a alta taxa de acidentes e a baixa conscientização sobre doenças ocupacionais nos estaleiros da Aliaga. Como no Sul da Ásia, a organização sindical continua fraca em Aliaga. O impacto ambiental negativo do método de pouso também é, sem dúvida, maior do que a reciclagem em uma área totalmente contida. 

Os estaleiros mais progressistas da Aliaga se inscreveram para participar do próximo Lista da UE de instalações de reciclagem de navios aprovadas. Para serem incluídos na lista da UE, os estaleiros são sujeitos a uma avaliação exaustiva do seu desempenho ambiental, de saúde e segurança e social, incluindo a gestão dos resíduos perigosos a jusante. Em 2018, dois estaleiros em Aliaga foram aprovados e incluídos na Lista da UE.

O surto massivo de COVID-19 a bordo de navios de cruzeiro destruiu uma boa parte desta indústria outrora lucrativa.

Em março, as autoridades dos EUA emitiram uma ordem de proibição de embarque para todos os navios de cruzeiro que permanecem no local.

Na sexta-feira, dezenas de trabalhadores removeram paredes, janelas, pisos e grades de vários navios no cais de Aliaga, uma cidade a 45 km ao norte de Izmir, na costa oeste da Turquia. Mais três navios estão prontos para se juntar aos que já estão sendo desmontados.

Antes da pandemia, os estaleiros de desmantelamento de navios da Turquia normalmente lidavam com navios de carga e contêineres.

Onal disse que cerca de 2,500 pessoas trabalharam no estaleiro em equipes que levam cerca de seis meses para desmontar um navio de passageiros completo. Os navios chegaram da Grã-Bretanha, Itália e Estados Unidos.

O estaleiro pretende aumentar o volume de aço desmontado para 1.1 milhão de toneladas até o final do ano, ante 700,000 mil toneladas em janeiro, disse ele.

Mesmo os acessórios não metálicos dos navios não vão para o lixo, já que os operadores do hotel vêm ao estaleiro para comprar materiais úteis, acrescentou.


Imprimir amigável, PDF e e-mail