RwandAir confiante na demanda gradual por viagens aéreas

Leia-nos | Nos escute | Assista-nos | Regista-te em Inscreva-se no nosso YOUTUBE |


Afrikaans Afrikaans Albanian Albanian Amharic Amharic Arabic Arabic Armenian Armenian Azerbaijani Azerbaijani Basque Basque Belarusian Belarusian Bengali Bengali Bosnian Bosnian Bulgarian Bulgarian Cebuano Cebuano Chichewa Chichewa Chinese (Simplified) Chinese (Simplified) Corsican Corsican Croatian Croatian Czech Czech Dutch Dutch English English Esperanto Esperanto Estonian Estonian Filipino Filipino Finnish Finnish French French Frisian Frisian Galician Galician Georgian Georgian German German Greek Greek Gujarati Gujarati Haitian Creole Haitian Creole Hausa Hausa Hawaiian Hawaiian Hebrew Hebrew Hindi Hindi Hmong Hmong Hungarian Hungarian Icelandic Icelandic Igbo Igbo Indonesian Indonesian Italian Italian Japanese Japanese Javanese Javanese Kannada Kannada Kazakh Kazakh Khmer Khmer Korean Korean Kurdish (Kurmanji) Kurdish (Kurmanji) Kyrgyz Kyrgyz Lao Lao Latin Latin Latvian Latvian Lithuanian Lithuanian Luxembourgish Luxembourgish Macedonian Macedonian Malagasy Malagasy Malay Malay Malayalam Malayalam Maltese Maltese Maori Maori Marathi Marathi Mongolian Mongolian Myanmar (Burmese) Myanmar (Burmese) Nepali Nepali Norwegian Norwegian Pashto Pashto Persian Persian Polish Polish Portuguese Portuguese Punjabi Punjabi Romanian Romanian Russian Russian Samoan Samoan Scottish Gaelic Scottish Gaelic Serbian Serbian Sesotho Sesotho Shona Shona Sindhi Sindhi Sinhala Sinhala Slovak Slovak Slovenian Slovenian Somali Somali Spanish Spanish Sudanese Sudanese Swahili Swahili Swedish Swedish Tajik Tajik Tamil Tamil Thai Thai Turkish Turkish Ukrainian Ukrainian Urdu Urdu Uzbek Uzbek Vietnamese Vietnamese Xhosa Xhosa Yiddish Yiddish Zulu Zulu
RwandAir confiante na demanda gradual por viagens aéreas

A RwandAir, sediada na África, expressou sua confiança na restauração de suas rotas, à medida que países em todo o mundo estão abrindo seus espaços aéreos e fronteiras para o turismo.

Definido para retomar seu operações aéreas No final da próxima semana, funcionários da RwandAir disseram estar confiantes de que a demanda por viagens aéreas aumentará gradualmente à medida que os países se preparem para abrir as fronteiras e as companhias aéreas retomem as operações após meses de suspensão.

A companhia aérea de bandeira nacional de Ruanda retomará as operações em 1º de agosto, após quase 5 meses desde que a companhia aérea suspendeu as operações devido ao Pandemia global de COVID-19.

A CEO da Rwandair (CEO) Yvonne Makolo disse que as reservas já estão chegando. “Estamos vendo, em termos de nossas reservas futuras, demanda em diferentes rotas”, afirmou ela.

Makolo disse à mídia há alguns dias que a demanda por viagens aéreas crescerá gradualmente à medida que os passageiros se sentirem mais confortáveis ​​durante a viagem durante a pandemia de COVID-19.

Ela admitiu que há muita ansiedade entre os passageiros durante esse período, mas a companhia aérea está adotando diversas medidas para garantir que os passageiros possam viajar com segurança.

As autoridades da aviação intensificaram os esforços para conter a disseminação do coronavírus assim que os voos de passageiros retornarem aos céus e quando as companhias aéreas retomarem os voos domésticos, regionais e internacionais.

“Colocamos em prática todas as medidas, conforme orientação da ICAO [Organização da Aviação Civil Internacional] e da OMS [Organização Mundial da Saúde] para garantir que nossos passageiros e funcionários estejam seguros quando retomarmos as operações”, disse Makolo à mídia na capital de Ruanda, Kigali.

A RwandAir retomará os voos começando com destinos na África e Dubai no Oriente Médio antes de aumentar as frequências para outros destinos conforme a demanda por viagens aéreas aumenta.

Antes de voar, cada passageiro terá que mostrar um certificado negativo COVID-19 se estiver chegando, transitando ou partindo de Ruanda, enquanto os passageiros na partida respeitarão todas as medidas de segurança sanitária, acrescentou Makolo.

Os passageiros que partem do Aeroporto Internacional de Kigali serão guiados por sinais de distanciamento físico espalhados pelo aeroporto.

Os higienizadores estarão disponíveis nos balcões de check-in, balcões e áreas de controle de passaportes, enquanto os passageiros serão recebidos por câmeras de imagem térmica instaladas nas áreas de embarque e desembarque para ajudar a identificar as pessoas que podem ter o coronavírus.

Operadores de aeroporto implementaram quiosques de auto-check-in que permitem que os passageiros façam o check-in sem encontrar fisicamente os agentes de emissão. Um passageiro pode ficar menos de um minuto no quiosque.

Todo balcão de check-in é equipado com desinfetante para que não haja contaminação no manuseio de documentos, e os balcões são protegidos com viseira de vidro.

Os assentos na área de espera serão marcados para orientar os passageiros a deixar um espaço de um metro entre todos os outros passageiros, permitindo-lhes respeitar as medidas de saúde de distanciamento físico. Os passageiros que chegam respeitarão as mesmas medidas de segurança sanitária.

Enquanto estiver a bordo da aeronave RwandAir, a tripulação usará equipamentos de proteção individual (EPI), desde aventais e óculos de proteção até máscaras faciais e luvas.

O processo de embarque será realizado respeitando as medidas de segurança contra COVID-19, e será realizado em pequenos grupos, desde a parte traseira do avião até a frente.

“Garantimos que a aeronave seja totalmente limpa (por meio de desinfecção) após cada voo”, disse Makolo.

Ela disse que todas as aeronaves são equipadas com filtros de partículas de ar de alta eficiência (HEPA), que garantem que todos os vírus e germes sejam extraídos da cabine para garantir que o ar da cabine seja seguro para respirar.

“Também modificamos nosso cardápio a bordo para tentar evitar o contato entre nossa tripulação e os passageiros”, disse ela.

A companhia aérea também está implementando uma política de uma peça de bagagem de cabine por passageiro, a fim de evitar congestionamentos nos corredores e pessoas tocando muitas malas a bordo.

Muitos especialistas em aviação dizem que o distanciamento físico a bordo não faz sentido para as companhias aéreas que desejam fazer negócios durante a pandemia, e os funcionários da RwandAir admitem que será quase impossível.

“O distanciamento físico a bordo é muito difícil. No início, esperamos que o tráfego cresça gradativamente, para que haja espaço no início para observar o distanciamento físico ”, observou Makolo.

Todos os passageiros estarão com suas máscaras durante toda a viagem e serão incentivados a trazer o maior número possível de máscaras para trocá-las a cada 4 horas, especialmente em voos de longo curso.

A tripulação da aeronave estará constantemente desinfetando as superfícies para garantir que estejam limpas.

Silas Udahemuka, o Diretor Geral da Autoridade de Aviação Civil de Ruanda, disse que todas as 8 companhias aéreas estrangeiras que voam para Kigali solicitaram a reabertura das operações.

Isso inclui Qatar Airways, Brussels Airlines, KLM, Kenya Airways, Ethiopian Airlines, Turkish Airways e o JamboJet do Quênia, entre outros.

#rebuildingtravel

Imprimir amigável, PDF e e-mail