Novo estudo mostra que a vacinação COVID-19 não afeta a fertilidade ou a gravidez precoce

Escrito por editor

A vacinação contra o COVID-19 não afetou os resultados de fertilidade em pacientes submetidos à fertilização in vitro (FIV), descobriu um novo estudo. As descobertas, publicadas na Obstetrics & Gynecology (o Green Journal), aumentam o crescente corpo de evidências que garantem que a vacinação contra o COVID-19 não afeta a fertilidade.  

Imprimir amigável, PDF e e-mail

Investigadores da Icahn School of Medicine at Mount Sinai (Icahn Mount Sinai), New York City, e Reproductive Medicine Associates of New York (RMA of New York) compararam as taxas de fertilização, gravidez e aborto precoce em pacientes de fertilização in vitro que receberam dois doses de vacinas fabricadas pela Pfizer ou Moderna com os mesmos resultados em pacientes não vacinados.

O estudo envolveu pacientes cujos óvulos foram coletados dos ovários e fertilizados por espermatozóides em laboratório, criando embriões que foram congelados e depois descongelados e transferidos para o útero, e pacientes que passaram por tratamento médico para estimular o desenvolvimento dos óvulos. Os dois grupos de pacientes que foram submetidos à transferência de embriões congelados e descongelados - 214 vacinados e 733 não vacinados - tiveram taxas semelhantes de gravidez e perda precoce da gravidez. Os dois grupos de pacientes submetidas à estimulação ovariana – 222 vacinadas e 983 não vacinadas – tiveram taxas semelhantes de óvulos recuperados, fertilização e embriões com número normal de cromossomos, entre várias outras medidas.

Os autores do estudo antecipam que as descobertas aliviarão a ansiedade das pessoas que consideram a gravidez. “Ao alavancar a ciência e o big data, podemos ajudar a tranquilizar os pacientes em idade reprodutiva e permitir que eles tomem as melhores decisões por si mesmos. Dará conforto às pessoas saber que a vacina COVID-19 não afeta seu potencial reprodutivo”, disse o autor sênior Alan B. Copperman, MD, FACOG, diretor de divisão e professor clínico de obstetrícia, ginecologia e ciência reprodutiva em Icahn Mount Sinai e diretor do RMA de Nova York, que é reconhecido internacionalmente como um dos principais centros de medicina reprodutiva.

Os pacientes do estudo foram tratados na RMA de Nova York entre fevereiro e setembro de 2021. Os pacientes submetidos ao tratamento de fertilização in vitro são acompanhados de perto, permitindo que os pesquisadores capturem dados precoces sobre a implantação de embriões, além de perdas na gravidez que podem ser subestimadas em outros estudos .

A publicação do novo estudo coincide com o surgimento da variante Omicron altamente contagiosa. Estudos anteriores descobriram que a vacinação COVID-19 ajudou a proteger as grávidas – para quem a COVID-19 aumenta substancialmente o risco de doença grave e morte – de doenças graves, conferiu anticorpos a seus bebês e não aumentou o risco de parto prematuro ou fetal. problemas de crescimento.

Imprimir amigável, PDF e e-mail

Sobre o autor

editor

A editora-chefe da eTurboNew é Linda Hohnholz. Ela está sediada na sede da eTN em Honolulu, Havaí.

Deixe um comentário

eTurboNews | eTN