24/7 eTV BreakingNewsShow : Clique no botão de volume (parte inferior esquerda da tela do vídeo)
Breaking International News . Breaking Travel News . Caribe . Notícias de última hora da República Dominicana . Indústria Hoteleira . Notícias . Reconstruindo . Turismo . Atualização de destino de viagem . tendência Agora

A recuperação do turismo dominicano é falsa? O paradoxo de Simpson olha para a verdade

República Dominicana
Escrito por Galileo Violini

O impacto da pandemia no turismo em todo o mundo e, conseqüentemente, na economia mundial foi tremendo. A contribuição do turismo para o Produto Bruto Mundial Global em 2020 - US $ 4.7 trilhões - foi cerca de metade da de 2019. Em um artigo recente, o diretor-geral encarregado da Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento (UNCTAD) estima que na maioria Cenário otimista, ao final do ano estaremos 60% abaixo de 2019.

Imprimir amigável, PDF e e-mail
  1. Como o turismo é um componente importante da economia global, a recuperação em todos os países é crucial.
  2. Recentemente, o Ministério do Turismo da República Dominicana apresentou dados que indicam que o setor está em notável recuperação.
  3. Embora os dados estejam corretos, a interpretação pode deixar um questionamento a indicação de tal recuperação.

A recuperação é uma meta de todos os países, já que o turismo é um componente crucial da economia global, mas particularmente daqueles que têm o turismo como um componente importante da economia.

Nas últimas semanas, Ministério Dominicano de Turismo apresentou dados que provariam uma recuperação franca e notável do turismo receptivo dominicano. Os dados estão corretos, mas sua interpretação requer uma análise que coloque em evidência luzes e sombras dessa recuperação, com base em dados globais que agregam dados parciais de diferentes características.

Durante cinquenta anos, foi estudado um efeito que na verdade já havia sido notado há mais de um século, o paradoxo de Simpson. Conclusões falaciosas podem ser alcançadas quando as estatísticas combinam dados não homogêneos. Sem entrar em detalhes desta teoria matemática, observamos que ela permite compreender alguns limites da interpretação dos dados pelo Ministério do Turismo dominicano, dados cuja veracidade, reiteramos para evitar mal-entendidos, não é questionada.

A importância da compreensão desses limites não precisa de justificativa em um país onde, em 2019, a título de divisas, o turismo contribuiu com 8.4% do PIB, representando 36.4% das exportações de bens e serviços. Além disso, o turismo, apesar de uma queda de 13% em relação a 2018, contribuiu em 2019 para quase 30% do Investimento Estrangeiro Direto.

Por essas razões, uma verificação cuidadosa da afirmação de que na República Dominicana, o setor de turismo está deixando para trás a crise gerada pela pandemia COVID-19, fundamental para as políticas públicas do país, bem como para nortear as decisões microeconômicas das operadoras do setor.

Lembremos os principais dados citados pelo Ministério:

- As chegadas de não residentes por via aérea, em agosto deste ano, representam 96% das chegadas de 2019, tendência mais do que confirmada pelo que aconteceu na primeira quinzena de setembro.

- Esta tendência é confirmada pela análise mensal da recuperação deste indicador desde a recuperação. em relação a 2019, vem crescendo, passando de 34% em janeiro-fevereiro, para cerca de 50% em março-abril, para quase 80% em maio-junho e 95% em julho-agosto.

- As chegadas de residentes não dominicanos vêm crescendo continuamente há dez meses.

- A percentagem de turistas que se alojam em hotéis é de 73%.

Todos esses dados são verdadeiros e documentados. No entanto, Simpson nos lembra que se referem a amostras que agregam diferentes grupos e diferentes períodos.

A análise geral do período estaria correta se houvesse estabilidade nas chegadas no patamar do mês no período escolhido para a comparação. Não foi assim, e os meses de 2019 não equivalem para tal comparação com 2021. Naquele ano, as operadoras de turismo tocaram com folga os efeitos da morte de alguns turistas entre maio e junho, o que reverteu o crescimento do turismo norte-americano registrado. na primeira metade do ano (quase 10%) em uma queda de 3% durante os primeiros dez meses (4% se considerarmos o total de chegadas de estrangeiros).

Isso exige distinguir quanto desses 96% em agosto ou os mais de 110% na primeira quinzena deste mês se deve à recuperação do numerador (chegadas de 2021) e quanto à diminuição do denominador (chegadas de 2019).

Esse efeito pesa especialmente se as chegadas forem divididas com base em outro elemento de não homogeneidade, distinguindo as chegadas de não residentes dominicanas das de estrangeiros.

Fazemos isso na tabela a seguir, onde apresentamos este dados, para os meses de janeiro a agosto, com início em 2013.

Ano201320142015201620172018201920202021
 D414598433922498684546051538350616429707570345888811156
 F289187031750333394208361914738617744027620395646612936502081389

Esses dados, sem questionar a comparação do Ministério para o mês de agosto, redimensionam-no, visto que no período de oito meses o total de chegadas é de 60% do de 2019 e temos que voltar a 2013 para encontrar um valor inferior . Essa última comparação se refere aos dados gerais, mas se fôssemos fixar a atenção apenas no dos estrangeiros, isso daria 53%, em relação a 2019, e 72%, em relação a 2013.

A consideração dos não residentes estrangeiros é importante porque os não residentes dominicanos provavelmente fazem menos uso de serviços adicionais, como hotéis, restaurantes, transporte. Esta constatação pouco lisonjeira é corroborada pela ocupação hoteleira que, apesar de ser estrangeira 86% dos admitidos, é inferior a este valor, embora historicamente as duas percentagens sejam da mesma ordem.

Há outro dado não homogêneo relacionado ao turismo receptivo que deve ser motivo de preocupação. Este dado, apresentado no quadro seguinte, refere-se à repartição das chegadas por região de origem dos não residentes.

AnoAmérica do NorteEuropaAmérica do SulAmérica Central
201860.8%22.4%12.6%3.9%
201961.9%21.6%12%4.1%
202061.2%24.7%10.7%3%
202170.6%14.6%9.5%5%

O dado mais relevante para nossas reflexões é o crescimento do turismo norte-americano acompanhado do declínio do europeu. Se estes dados forem considerados em conjunto com os relativos à nacionalidade, cujo efeito indirecto comentámos, parece que o impacto negativo da diminuição do turismo europeu dificilmente poderá ser compensado pelo aumento do turismo norte-americano.

Esta previsão também é apoiada por dados europeus sobre a recuperação do tráfego aéreo europeu. A comparação entre este verão e os anos anteriores mostra que apenas 40% do tráfego de 2019 foi recuperado, com uma melhoria em relação a 2020, quando a recuperação tinha sido de 27%. E deve-se acrescentar que o tráfego aéreo também não é um indicador homogêneo, já que na Europa houve uma recuperação mínima do tráfego que deveria interessar a maior parte da República Dominicana, a dos voos intercontinentais. Na verdade, os que mais se recuperaram foram voos intra-europeus de baixo custo. Hoje representam 71.4% do total, enquanto há dois anos representavam apenas 57.1%, não se pode ignorar que os destinos que mais contribuem para esse resultado, de alguma forma, representam alternativas à oferta turística caribenha.

A isso se deve acrescentar que as medidas do Passe Verde Europeu também não favorecem o turismo na Europa porque a vacina mais usada na República Dominicana, Sinovac, não permite receber o Passe Verde. Isso pode ser questionável, mas certamente afeta o setor de agências de viagens, de modo que o quadro resultante é que ainda há um longo caminho a ser percorrido antes que o turismo dominicano realmente retorne aos seus níveis pré-pandêmicos.

Contar com a recuperação da situação pré-pandêmica em decorrência do controle da pandemia talvez seja otimista e, de qualquer forma, não parece provável que aconteça no curto prazo.

Isso significa que, sem dar muita importância ao aprimoramento de algumas casas decimais nesses percentuais, é preciso pensar em políticas de reativação a partir do médio prazo de 2023.

Um relatório recente do Conselho Mundial de Viagens e Turismo defende ações proativas por parte dos governos, como investir e atrair investimentos do setor privado em infraestrutura física e digital e promover segmentos específicos de viagens, como turismo médico ou turismo MICE. Isso implica uma política global e não setorial que envolve também outros setores da sociedade.

Considerações semelhantes foram feitas há dois meses pelo diretor-geral a cargo da UNCTAD, insistindo na necessidade de repensar o modelo de desenvolvimento do turismo, promover o turismo nacional e rural e digitalizar.

A infraestrutura existente no país permite essas ações, o que requer uma forte política de promoção, articulada com o setor privado, sem se conformar com o fato de que uma certa recuperação está ocorrendo. O facto de no final deste ano terem sido 4.5 milhões ou 5 milhões de chegadas, ainda pouco face aos anos anteriores, não fará grande diferença, a não ser que se criem condições para uma forte reactivação do sector, o que permitirá ao país manter sua posição de liderança no turismo caribenho.

#rebuildingtravel

Imprimir amigável, PDF e e-mail

Sobre o autor

Galileo Violini

Deixe um comentário