Notícias de última hora sobre o Afeganistão . Companhias Aéreas . Aeroporto . Notícias de última hora da Áustria . Aviação . Breaking European News . Breaking International News . Breaking Travel News . Viagem de negócios . Culinária . Cultura . Educação . Notícias do Governo . Notícias de Saúde . Indústria Hoteleira . Notícias . Pessoas . Reconstruindo . Responsável . Segurança . Turismo . Transportes . Atualização de destino de viagem . Travel Wire News . tendência Agora . Diversas Notícias

Áustria: Não são procurados refugiados afegãos!

Áustria: Não são procurados refugiados afegãos!
Chanceler da Áustria, Sebastian Kurz
Escrito por Harry johnson

O problema é que “a integração dos afegãos é muito difícil” e requer grandes esforços que a Áustria simplesmente não pode pagar no momento, disse Kurz. A maioria deles tem um baixo nível de educação e valores completamente diferentes em comparação com o resto da população do país, ele destacou, acrescentando que mais da metade dos jovens afegãos que vivem na Áustria apoiam a violência religiosa.

Imprimir amigável, PDF e e-mail
  • A Áustria não quer mais refugiados afegãos.
  • A integração dos afegãos na sociedade ocidental é “muito difícil”.
  • A Áustria já hospeda a quarta maior comunidade afegã do mundo.

Mais de 123,000 civis foram expulsos de Cabul pelos EUA e aliados ocidentais depois que a capital do Afeganistão caiu nas mãos de terroristas do Taleban em meados de agosto.

A maioria desses refugiados afegãos receberá asilo nos EUA, mas a União Europeia também concordou em receber 30,000 afegãos em fuga.

Enquanto a Alemanha e a França demonstraram vontade de aceitar os refugiados, a Áustria estava entre as nações que rejeitaram abertamente a ideia de mais chegadas de afegãos.

O chanceler da Áustria, Sebastian Kurz, anunciou que a Áustria já tem migrantes suficientes de Afeganistão, e o país não participará do reassentamento de refugiados afegãos evacuados de Cabul após a tomada do Taleban.

“Não receberemos afegãos em fuga em nosso país enquanto eu estiver no poder”, declarou Sebastian Kurz na entrevista de hoje ao jornal italiano La Stampa.

Kurz insistiu que a posição do governo austríaco sobre o assunto era “realista” e não significava que havia falta de solidariedade com outras capitais da UE por parte de Viena.

“Depois que mais de 44,000 afegãos chegaram ao nosso país nos últimos anos, a Áustria já abriga a quarta maior comunidade afegã do mundo” per capita, lembrou o chanceler.

O problema é que “a integração dos afegãos é muito difícil” e requer grandes esforços que a Áustria simplesmente não pode pagar no momento, disse o político conservador de 35 anos. A maioria deles tem um baixo nível de educação e valores completamente diferentes em comparação com o resto da população do país, ele destacou, acrescentando que mais da metade dos jovens afegãos que vivem na Áustria apoiam a violência religiosa.

Viena ainda estava ansiosa para ajudar os afegãos aflitos, já que alocava 20 milhões de euros para ajudar os países vizinhos do Afeganistão a reinstalar os refugiados, disse Kurz.

Mas o União Européia políticas dos tempos da crise migratória de 2015 - quando centenas de milhares de pessoas fugindo do conflito no Norte da África e no Oriente Médio foram admitidas no bloco - “não pode mais ser uma solução para Cabul ou para a União Europeia”, disse Kurz .

O líder austríaco insistiu que “agora está claro para todos os governos europeus que a imigração ilegal deve ser combatida e que as fronteiras externas da Europa devem ser protegidas” para resolver este problema.

Sebastian Kurz acredita que a União Europeia deve trabalhar para quebrar “o modelo de negócios” dos traficantes de pessoas que entregam pessoas na Europa. Quanto aos migrantes, eles devem ser contornados nas fronteiras da UE e enviados de volta para seus países de origem ou para países terceiros seguros.

Imprimir amigável, PDF e e-mail

Sobre o autor

Harry johnson

Harry Johnson foi o editor de atribuição de eTurboNews por quase 20 anos.
Harry mora em Honolulu, Havaí e é originário da Europa.
Ele adora escrever e tem trabalhado como editor de tarefas para eTurboNews.

Deixe um comentário