Leia-nos | Nos escute | Assista-nos | Regista-te em Eventos ao vivo | Desligue os anúncios | Viver |

Clique no seu idioma para traduzir este artigo:

Afrikaans Afrikaans Albanian Albanian Amharic Amharic Arabic Arabic Armenian Armenian Azerbaijani Azerbaijani Basque Basque Belarusian Belarusian Bengali Bengali Bosnian Bosnian Bulgarian Bulgarian Cebuano Cebuano Chichewa Chichewa Chinese (Simplified) Chinese (Simplified) Corsican Corsican Croatian Croatian Czech Czech Dutch Dutch English English Esperanto Esperanto Estonian Estonian Filipino Filipino Finnish Finnish French French Frisian Frisian Galician Galician Georgian Georgian German German Greek Greek Gujarati Gujarati Haitian Creole Haitian Creole Hausa Hausa Hawaiian Hawaiian Hebrew Hebrew Hindi Hindi Hmong Hmong Hungarian Hungarian Icelandic Icelandic Igbo Igbo Indonesian Indonesian Italian Italian Japanese Japanese Javanese Javanese Kannada Kannada Kazakh Kazakh Khmer Khmer Korean Korean Kurdish (Kurmanji) Kurdish (Kurmanji) Kyrgyz Kyrgyz Lao Lao Latin Latin Latvian Latvian Lithuanian Lithuanian Luxembourgish Luxembourgish Macedonian Macedonian Malagasy Malagasy Malay Malay Malayalam Malayalam Maltese Maltese Maori Maori Marathi Marathi Mongolian Mongolian Myanmar (Burmese) Myanmar (Burmese) Nepali Nepali Norwegian Norwegian Pashto Pashto Persian Persian Polish Polish Portuguese Portuguese Punjabi Punjabi Romanian Romanian Russian Russian Samoan Samoan Scottish Gaelic Scottish Gaelic Serbian Serbian Sesotho Sesotho Shona Shona Sindhi Sindhi Sinhala Sinhala Slovak Slovak Slovenian Slovenian Somali Somali Spanish Spanish Sudanese Sudanese Swahili Swahili Swedish Swedish Tajik Tajik Tamil Tamil Thai Thai Turkish Turkish Ukrainian Ukrainian Urdu Urdu Uzbek Uzbek Vietnamese Vietnamese Xhosa Xhosa Yiddish Yiddish Zulu Zulu

Governo da Indonésia estende as restrições do COVID-19 por mais duas semanas

Governo da Indonésia estende as restrições do COVID-19 por mais duas semanas
Ministro Coordenador de Assuntos Econômicos da Indonésia, Airlangga Hartarto
Escrito por Harry johnson

Os riscos de transmissão da COVID-19 em diferentes pontos do país foram marcados pelas cores vermelho, laranja, amarelo e verde, em que a zona vermelha se refere a uma área de alto risco, e a zona verde significa estar livre de novos casos .

Imprimir amigável, PDF e e-mail
  • O funcionamento de centros comerciais e restaurantes só é permitido até às 9h50 locais, com um máximo de XNUMX por cento dos visitantes.
  • As escolas na zona vermelha não podem realizar aprendizagem offline (presencial).
  • O governo também pediu às pessoas da zona vermelha que adorassem em casa pelos próximos quatorze dias.

O Ministro Coordenador de Assuntos Econômicos da Indonésia, Airlangga Hartarto, anunciou hoje que o governo indonésio estendeu suas restrições COVID-19, que terminaram na segunda-feira por mais duas semanas até 28 de junho, em uma tentativa de impedir a propagação da pandemia de coronavírus.

De acordo com o ministro, os escritórios localizados na zona vermelha só podem acolher um máximo de 25 por cento dos colaboradores, enquanto o resto deve funcionar a partir de casa.

Os riscos de transmissão da COVID-19 em diferentes pontos do país foram marcados pelas cores vermelho, laranja, amarelo e verde, em que a zona vermelha se refere a uma área de alto risco, e a zona verde significa estar livre de novos casos .

“Os escritórios nas zonas laranja ou amarela podem ser ocupados por no máximo 50% dos funcionários”, acrescentou Hartarto, que também chefia o Comitê de Manuseio e Recuperação Econômica Nacional do COVID-19.

A exploração de centros comerciais e restaurantes só é permitida até às 9h00 locais, com um máximo de 50 por cento dos visitantes ao abrigo de rígidos protocolos de saúde.

As escolas na zona vermelha não têm permissão para realizar o aprendizado off-line (presencial) e todos os alunos devem ter aulas on-line.

O governo também pediu às pessoas da zona vermelha que adorassem em casa pelos próximos quatorze dias.

Os casos de COVID-19 na Indonésia aumentaram em 8,189 em um dia para 1,919,547, com o número de mortos aumentando em 237 para 53,116, disse o Ministério da Saúde na segunda-feira.

Imprimir amigável, PDF e e-mail