Leia-nos | Nos escute | Assista-nos | Regista-te em Eventos ao vivo | Desligue os anúncios | Viver |

Clique no seu idioma para traduzir este artigo:

Afrikaans Afrikaans Albanian Albanian Amharic Amharic Arabic Arabic Armenian Armenian Azerbaijani Azerbaijani Basque Basque Belarusian Belarusian Bengali Bengali Bosnian Bosnian Bulgarian Bulgarian Catalan Catalan Cebuano Cebuano Chichewa Chichewa Chinese (Simplified) Chinese (Simplified) Chinese (Traditional) Chinese (Traditional) Corsican Corsican Croatian Croatian Czech Czech Danish Danish Dutch Dutch English English Esperanto Esperanto Estonian Estonian Filipino Filipino Finnish Finnish French French Frisian Frisian Galician Galician Georgian Georgian German German Greek Greek Gujarati Gujarati Haitian Creole Haitian Creole Hausa Hausa Hawaiian Hawaiian Hebrew Hebrew Hindi Hindi Hmong Hmong Hungarian Hungarian Icelandic Icelandic Igbo Igbo Indonesian Indonesian Irish Irish Italian Italian Japanese Japanese Javanese Javanese Kannada Kannada Kazakh Kazakh Khmer Khmer Korean Korean Kurdish (Kurmanji) Kurdish (Kurmanji) Kyrgyz Kyrgyz Lao Lao Latin Latin Latvian Latvian Lithuanian Lithuanian Luxembourgish Luxembourgish Macedonian Macedonian Malagasy Malagasy Malay Malay Malayalam Malayalam Maltese Maltese Maori Maori Marathi Marathi Mongolian Mongolian Myanmar (Burmese) Myanmar (Burmese) Nepali Nepali Norwegian Norwegian Pashto Pashto Persian Persian Polish Polish Portuguese Portuguese Punjabi Punjabi Romanian Romanian Russian Russian Samoan Samoan Scottish Gaelic Scottish Gaelic Serbian Serbian Sesotho Sesotho Shona Shona Sindhi Sindhi Sinhala Sinhala Slovak Slovak Slovenian Slovenian Somali Somali Spanish Spanish Sudanese Sudanese Swahili Swahili Swedish Swedish Tajik Tajik Tamil Tamil Telugu Telugu Thai Thai Turkish Turkish Ukrainian Ukrainian Urdu Urdu Uzbek Uzbek Vietnamese Vietnamese Welsh Welsh Xhosa Xhosa Yiddish Yiddish Yoruba Yoruba Zulu Zulu

2021 Dia dos Mártires de Uganda comemorado virtualmente devido à pandemia de COVID-19

2021 Dia dos Mártires de Uganda comemorado virtualmente devido à pandemia de COVID-19
2021 Dia dos Mártires de Uganda comemorado virtualmente devido à pandemia de COVID-19

O evento do ano passado também foi discreto, com o acesso aos peregrinos cancelado devido a um bloqueio nacional por coronavírus.

  • Apenas 200 peregrinos foram convidados este ano devido à pandemia COVID-19
  • Os mártires de Uganda foram os primeiros santos negros da África subsaariana a serem canonizados
  • O santuário católico foi construído no local do martírio de São Carlos (Karoli) Lwanga e São Kizito

As celebrações anuais do Dia dos Mártires de Uganda deste ano, que cai em 3 de junho, foram celebradas virtualmente com apenas 200 peregrinos convidados devido à pandemia COVID-19. No ano passado, o evento também foi discreto, com o acesso aos peregrinos cancelado devido a um bloqueio nacional.

O Santuário dos Mártires Namugongo de 23 acres localizado a 12 km do centro da cidade de Kampala era um ímã para as celebrações anuais nos calendários da Igreja Católica Romana e Anglicana antes da pandemia, atraindo até 3 milhões de peregrinos de todo o mundo, caminhando por dias e semanas ou viajando diariamente do Quênia, Tanzânia, Ruanda, Sudão do Sul, Zâmbia, Malaui, República Democrática do Congo, Nigéria e além do continente em homenagem a 45 jovens cristãos convertidos, incluindo 23 anglicanos e 22 católicos que foram martirizados entre 1885 e 1887 por ordem de reinante (monarca) Kabaka Mwanga do Reino de Buganda em um teste de lealdade dividida entre o rei e a fé.

O santuário católico foi construído no local do martírio de São Carlos (Karoli) Lwanga e São Kizito. Construído em aço, cada um dos 22 pilares, representa cada um dos 22 mártires católicos.

Em 1969, Uganda foi o primeiro país da África a ser visitado por um pontífice reinante, quando o Papa Paulo VI celebrou a missa no santuário recém-construído em comemoração aos cinquenta anos da beatificação dos mártires pelo Papa Bento XV em 1920.

Cinco anos antes, em 1964, os mártires de Uganda foram canonizados na Basílica de São Pedro em Roma, tornando-os os primeiros santos negros da África subsaariana a serem canonizados.

Quando o Papa João Paulo II o visitou em 1993, ele elevou o Santuário a Basílica Menor em 1993.

Em 2015, quando a visita do Papa Francisco foi confirmada pelo Vaticano, o governo de Uganda e a Arquidiocese de Kampala comprometeram US $ 24 milhões para atualizar os santuários originalmente concebidos por Monsenhor Mbwega (pároco 1954-1980) em um site de classe mundial de representando o cristianismo e o turismo reconstruindo o pavilhão em torno do Lago dos Mártires existente.

Durante a reconstrução, os engenheiros dragaram o lago para garantir que as tranças de Mbwega, pontuadas por coros de pássaros cantando, fossem incorporadas aos projetos, a fim de preservar a serenidade do santuário sagrado.