Notícias de viagens europeias . Notícias de viagens para a Itália . Outro . Notícias do Turismo . Atualização de destino de viagem . Notícias de viagem . Segredos de viagem . Tendência de Notícias

Crise da COVID no Vaticano

Selecione seu idioma
Crise da COVID no Vaticano
Vaticano

Devido às ramificações da COVID-19, o Papa cortou os salários dos cardeais e bloqueou a antiguidade a partir de 1º de abril.

Imprimir amigável, PDF e e-mail
  1. Para salvaguardar os empregos atuais, o Papa decidiu que deve haver um corte de 10% nos salários dos cardeais, bem como de outros superiores e eclesiásticos.
  2. Haverá um bloco de fotos bienais de 1º de abril de 2021 a 31 de março de 2023, para todo o pessoal que trabalha na Santa Sé, Governatorato e outros órgãos relacionados.
  3. A pobreza está crescendo na Itália por causa da COVID, mas a ajuda da Igreja também está crescendo, apesar de seus próprios problemas financeiros.

O Papa Bergoglio com um motu proprio (por iniciativa própria) conteve as despesas com o pessoal da Santa Sé, do Governatorato do Estado da Cidade do Vaticano e outros organismos relacionados devido à crise financeira, agravada pela pandemia.

“Considerando que é necessário proceder segundo critérios de proporcionalidade e progressividade” e “para salvaguardar os empregos atuais”, foi decidido que seja administrado um corte de salários que afetará os cardeais em 10%, bem como outros superiores e eclesiásticos. Para essas principais figuras religiosas, o Papa também suspendeu as medidas de antiguidade até 2023 (exceto para funcionários leigos do primeiro ao terceiro nível).

“Um futuro economicamente sustentável hoje exige, entre outras decisões, também a adoção de medidas em relação aos salários dos funcionários”, escreveu Bergoglio em seu motu proprio. O Papa não quer despedir, mas as despesas têm de ser contidas. Decidiu-se, portanto, intervir “segundo critérios de proporcionalidade e progressividade”, com alguns ajustes que dizem respeito sobretudo aos clérigos e aos religiosos dos escalões mais elevados.

Este aperto financeiro foi motivado “pelo déficit que há vários anos caracterizou a gestão econômica da Santa Sé” e pela situação gerada pela pandemia “que afetou negativamente todas as fontes de renda da Santa Sé e da Cidade do Vaticano. Estado."

Imprimir amigável, PDF e e-mail
>