Notícias de viagens culturais . Notícias de viagens europeias . Notícias de viagens para a Itália . Outro . Notícias do Turismo . Notícias de viagem . Segredos de viagem . Tendência de Notícias

Igreja Católica sobre o casamento gay: o pecado não pode ser abençoado

Selecione seu idioma
Igreja Católica sobre casamento gay

A Congregação para a Doutrina da Fé (CDF) afirmou que a Igreja Católica não pode abençoar as uniões do mesmo sexo, disse o Vaticano na segunda-feira, 15 de março de 2021.

Imprimir amigável, PDF e e-mail
  1. A Igreja Católica tem o poder de dar bênçãos às uniões do mesmo sexo? A resposta é: negativa.
  2. A Congregação para a Doutrina da Fé diz que ama o pecador, mas isso não significa que a Igreja justifica o pecado.
  3. O catolicismo vê o vínculo do casamento como uma união entre um homem e uma mulher abertos à vida e à procriação.

Em resposta a uma pergunta “duvidosa” (dúvida) feita a ela, a Congregação para a Doutrina da Fé (CDF) da Igreja Católica disse: “Não podemos considerar tais bênçãos lícitas”. Portanto, os padres não devem abençoar casais homossexuais que pedem algum tipo de reconhecimento religioso de sua união, afirmou a CDF. O Papa Francisco “deu seu assentimento” à publicação de sua resposta ao dubium, confirma a CDF.

A Igreja não está dizendo não para casamentos do mesmo sexo. É dizer não à pura eventualidade de que as uniões gays - sejam elas de facto ou de iure, sancionadas por um documento público muito secular como por um acordo privado - podem obter qualquer forma de bênção do Igreja Católica que governa seu povo, mas não à custa de seguir as tendências do século, relatou AGI.

“Amamos o pecador, escreve a Congregação para a Doutrina da Fé, mas isso não significa que a Igreja justifique o pecado.”

O cardeal Luis Ladaria, prefeito do ex-Santo Ofício e escritor material da negação de bênçãos e da nota explicativa participou do anúncio, assim como o próprio Bergoglio que “no decorrer de uma audiência concedida ao abaixo-assinado Secretário da Congregação, foi informado e deu seu consentimento. ” O secretário, para constar, é o arcebispo de Cerveteri (região do Lácio) Giacomo Morandi.

O pecado não pode ser abençoado

Na forma tradicional da pergunta - o “dubium” - e da resposta, aqui está a pergunta resumida. Dubium: “A Igreja tem o poder de dar bênçãos às uniões do mesmo sexo?” A resposta foi: “Negativa”.

Explicações detalhadas seguem informações resumidas a seguir: “A bênção, seja qual for a sua forma, não pode ser concedida de forma alguma a uma situação marcada pelo pecado, visto que não se está perante um casal unido pelo vínculo matrimonial entendido como entre o homem e mulher e aberto à vida e à procriação. Na verdade, nem mesmo uma dessas pré-condições se materializa. A bênção poderia ser considerada uma forma substituta de reconhecimento e equalização, então não pode ser. ”

Tudo isso apesar de “em algumas esferas eclesiais se espalharem projetos e propostas de bênçãos para as uniões do mesmo sexo”. É claro que “esses projetos são freqüentemente motivados por uma vontade sincera de acolher e acompanhar os homossexuais, aos quais se propõem caminhos de crescimento na fé, para que aqueles que manifestam a tendência homossexual possam ter a ajuda necessária para compreender e realizar plenamente de Deus. vai em sua vida. ”

Mas uma coisa é acompanhar, entender e interagir, e outra é dar a impressão de igualar, justificar, reconhecer e admitir.

“Quando uma bênção é invocada em algumas relações humanas, é necessário que o bem-aventurado seja objetiva e positivamente ordenado para receber e expressar a graça, de acordo com os planos de Deus inscritos na Criação e plenamente revelados por Cristo Senhor”, explica em a documento assinado pelo Cardeal Ladaria.

“Somente aquelas realidades que em si mesmas são ordenadas a servir a esses desígnios são compatíveis com a essência da bênção concedida pela Igreja.”

Portanto, “não é permitido dar uma bênção a relacionamentos, ou mesmo parcerias estáveis, que envolvam uma prática sexual fora do casamento (ou seja, fora da união indissolúvel de um homem e uma mulher abertos em si mesmos à transmissão da vida), como é o caso das uniões entre pessoas do mesmo sexo. ”

Claro que, em alguns casos nestas uniões, podem reconhecer-se verdadeiros “elementos positivos, que por si próprios também devem ser apreciados e valorizados”, mas não - a bênção eclesial não o é: “estes elementos encontram-se ao serviço de um desordenado união com o desígnio do Criador. ”

Um reconhecimento substituto

Segue-se outro ponto, particularmente delicado para a Igreja: “A bênção das uniões homossexuais constituiria de certa forma uma imitação ou uma referência à analogia com a bênção nupcial”. Ou seja: tome cuidado para não fazer da bênção, dada de boa fé, a antecâmara do reconhecimento da união matrimonial.

É por isso que não podemos falar de “discriminação injusta” contra homossexuais. A Igreja não os discrimina como tais, mas limita-se a “recordar a verdade do rito litúrgico e do que corresponde profundamente à essência“ dos sacramentos ”.

“Todos na Igreja acolhem com respeito e delicadeza as pessoas com inclinação homossexual e saberão encontrar as formas mais adequadas e coerentes com o magistério eclesial para anunciar o Evangelho em sua plenitude”.

Os homossexuais “reconhecem a proximidade sincera da Igreja e aceitam seus ensinamentos com disponibilidade sincera”. Não está “excluído que sejam dadas bênçãos a indivíduos com inclinação homossexual”, mas com a condição de que “manifestem a vontade de viver em fidelidade aos planos revelados de Deus, conforme proposto pelo ensino eclesial”.

Porque o cerne da questão é sempre o mesmo: “Declaramos ilícitas todas as formas de bênção que reconhecem as suas uniões”, porque a Igreja “não abençoa nem pode abençoar o pecado: abençoa o homem pecador, para que ele pode reconhecer que ele faz parte do seu plano de amor e se permitir ser mudado por Ele. ”

Imprimir amigável, PDF e e-mail
>