Breaking Travel News . Notícias de viagens culturais . Notícias de viagens educacionais . Notícias de viagens ao Egito . Notícias para visitantes internacionais . Notícias do Turismo . Atualização de destino de viagem . Notícias de viagem . Travel Wire News . Tendência de Notícias . Notícias do Reino Unido

Egito irritado com a venda do busto "roubado" do Rei Tut no leilão da Christie's em Londres

Selecione seu idioma
0a1a-36
0a1a-36

Christie A casa de leilões acaba de vender um busto do menino-faraó Tutankhamon em Londres por US $ 6 milhões, irritando as autoridades egípcias, que dizem que a estátua é um tesouro cultural saqueado por invasores de tumbas.

Autoridades egípcias afirmam que a apreensão foi roubada há várias décadas e pediram o cancelamento do leilão. A Christie's respondeu que não havia nada de impróprio na venda e que ela estivera em exibição anos antes, sem reclamação.

“O objeto não é, e não foi, objeto de investigação”, disse a Christie's, uma das mais antigas casas de leilão do mundo, em um comunicado. O leilão ocorreu conforme planejado na quinta-feira.

A gerência da Christie's diz que o busto pertencia ao príncipe alemão Wilhelm von Thurn já na década de 1960, e mais tarde foi vendido para uma galeria em Viena, Áustria. Este relato é contestado pelos filhos do príncipe e também por um amigo próximo dele, que dizem que ele não era o dono da peça, de acordo com uma investigação recente da LiveScience.

A Grã-Bretanha tem uma longa história de controvérsias envolvendo artefatos históricos adquiridos por vários meios durante o passado do país como potência imperial. Os exemplos incluem uma disputa com a Grécia sobre os mármores de Elgin, que o líder trabalhista Jeremy Corbyn prometeu devolver caso se tornasse primeiro-ministro. O governo da Etiópia apresentou uma queixa formal sobre vários itens, que se acredita terem sido apreendidos durante a captura britânica de Maqdala em 1868.

A Nigéria dos dias modernos também acusou o Reino Unido de saquear artefatos preciosos do histórico Reino de Benin. O Museu Britânico de Londres possui a segunda maior coleção de arte do Reino do mundo.

Egito foi um protetorado britânico durante grande parte dos séculos XIX e XX. A estátua do rei Tut não é a primeira disputa sobre artefatos arqueológicos entre Cairo e Londres. Em 19, o governo egípcio exigiu a devolução da Pedra de Roseta, que permitiu a decifração de escritas egípcias antigas quando foi descoberta em 20, e ainda está guardada no Museu Britânico.

Os restos mortais do rei Tutancâmon foram descobertos por arqueólogos em 1922 e criaram uma tempestade de publicidade, renovando o interesse público no Egito Antigo. A famosa máscara de ouro de Tutancâmon continua sendo uma das obras de arte mais famosas do mundo.

Imprimir amigável, PDF e e-mail
>