24/7 eTV BreakingNewsShow : Clique no botão de volume (parte inferior esquerda da tela do vídeo)
Notícias de Associações . Breaking Travel News . Crime . Pessoas . Comunicados de imprensa . Atualização de destino de viagem . Travel Wire News . tendência Agora . Notícias de última hora nos EUA

Especialista em segurança de turismo: lidando com o massacre da sinagoga de Pittsburgh

massarce
massarce
Escrito por Dr. Peter E. Tarlow

O recente trágico atentado contra uma sinagoga de Pittsburgh inspirou especialistas em segurança a comentar o massacre. Colaborador da eTN Dr. Peter Tarlow é um rabino aposentado e parceiro em uma nova iniciativa entre eTurboNews e Turismo e muito mais com direito Certificado para Segurança (www.certified.travel).

O Dr. Tarlow comentou: Não havia razão para acreditar que a manhã de 27 de outubro seria diferente de qualquer outro dia de fim de semana na comunidade suburbana de Squirrel Hill (fora de Pittsburgh, Pensilvânia).

Squirrel Hill é uma típica comunidade suburbana americana. Era uma manhã de sábado e isso significava que os adoradores iam à sinagoga para os serviços de sábado (Shabat).

De repente, as coisas mudaram quando um homem armado entrou na sinagoga e começou a atirar. O trágico resultado são onze mortos, pelo menos seis outros feridos (alguns gravemente) e entre os feridos estavam quatro policiais que arriscaram suas vidas para salvar as vítimas inocentes da comunidade. Há muito que não sabemos sobre o massacre da sinagoga da Árvore da Vida (Etz Chayim), mas também há muito, mesmo nesta data inicial, que podemos aprender com ele. Abaixo estão algumas das lições que podemos aprender com essa terrível tragédia.

- Podemos nos unir como uma nação. Apesar da tragédia, também vimos a bondade da América. Existem poucas nações no mundo onde quase todo o corpo político se une para cônsul as famílias dos mortos e feridos. A tragédia tocou cidadãos de todo o país, dos mais poderosos aos mais humildes. Naquele dia, éramos todos um. Podemos nos orgulhar de que, como nação, na maior parte do tempo, fomos além da política e, em vez disso, nos concentramos nas pessoas que precisavam de cura. Vista da perspectiva da história judaica, a América em sua maior parte tem sido uma bela exceção aos milênios de preconceito que afligiram nosso povo durante sua experiência europeia.

- O anti-semitismo é a doença social mais antiga do mundo. Não devemos confundir um ataque anti-semita com outros ataques terríveis e trágicos. Os judeus são vítimas há mais de 1,800 anos. Freqüentemente, governos ou instituições religiosas patrocinaram esse sofrimento, morte e destruição, com o pior exemplo do mundo sendo a Alemanha nazista. Como tal, o massacre da sinagoga é fundamentalmente diferente de outros tiroteios. Nesse caso, os tiroteios são uma manifestação de puro ódio contra pessoas cujo único crime estava nascendo. O outro exemplo dessa forma de preconceito ou ódio é o que a comunidade afro-americana teve que sofrer. Em ambos os casos, os assassinatos são cometidos contra uma pessoa devido à sua religião ou cor de pele

-As instituições com grandes multidões terão que repensar suas políticas de controle de armas. Não existe uma solução fácil aqui. Os defensores das armas costumam sugerir que as multidões ficam mais seguras quando as pessoas estão armadas. Existem muitas razões para se opor a este princípio; esses incluem

· Não há como saber quem pode estar entrando com uma arma mortal

· Erros podem ser cometidos facilmente, causando consequências indesejadas

· Armas durante situações de pânico podem causar mais danos do que benefícios.

Do outro lado do argumento, há aqueles que argumentam que proibir armas torna as pessoas mais seguras. Argumentos opostos também podem ser apresentados. Alguns desses argumentos incluem:

· Colocar placas informando que um local é uma zona livre de armas é basicamente uma licença para matar civis desarmados

· Os criminosos não são parados por zonas livres de armas

· Quando a polícia chegar, as pessoas já estarão mortas

· Zonas livres de armas não apenas criam alvos fáceis, mas também segurança fácil

Não é o objetivo deste artigo apoiar ou se opor às zonas livres de armas. Cada organização precisará tomar essa decisão por si mesma e de acordo com as leis locais. O objetivo deste artigo é fornecer lições aprendidas e como as instituições religiosas e de turismo podem trabalhar para se tornarem mais seguras. Com esse objetivo, a Tourism & More oferece as seguintes sugestões.

-Não confunda boa sorte com bom planejamento. Só porque você nunca teve um problema no passado, não significa que não o terá no futuro. Suponha que você terá o problema e, em seguida, trabalhe para garantir que nunca haverá o pior cenário possível. Não entre no mundo do pensamento positivo ou da retórica política. A segurança deve ser praticada em uma atmosfera não partidária e não política.

-Precisamos ir além da negação e enfrentar as realidades. Muitas pessoas tendem a acreditar que as tragédias afetam a vida de outras pessoas, não a sua. Nada poderia estar mais longe da verdade. As tragédias fazem parte da vida e cabe aos responsáveis ​​por eventos como serviços religiosos ou outras reuniões de massa tomar todas as precauções possíveis. Por outro lado, viver com medo e raiva é recompensar o vitimizador.

- Reúna-se regularmente com as autoridades locais. Não espere que ocorra uma crise. É melhor prevenir uma crise do que lidar com ela, e isso significa uma boa gestão de riscos. Essas reuniões com as autoridades policiais devem incluir:

· Uma análise das vulnerabilidades físicas, sociais e demográficas do local

· Meios de mitigar essas vulnerabilidades

· Um plano de evacuação que inclui não apenas uma rota de fuga, mas também uma forma de informar o público durante um pânico

· Preparação em caso de apagão.

- Perceba que o público está mais acostumado com guardas armados e presença da polícia do que a maioria das pessoas imagina. O público americano agora está acostumado com guardas armados em tudo, de aeroportos a cinemas. Na maioria dos casos, guardas armados bem treinados garantem o público em vez de assustá-lo. O bom pessoal de segurança sabe como combinar boa segurança com bom atendimento ao cliente e um sorriso. Sua presença tende a trazer conforto em vez de medo.

- Reúna-se com os corpos de bombeiros locais e prestadores de primeiros socorros e desenvolva relacionamentos pessoais com esses socorristas. Ao se reunir com os socorristas, certifique-se de que todos os responsáveis ​​por grandes reuniões conheçam fatos básicos como:

· Locais de hemocentros

· Disponibilidade de ambulância

· Identificação da vítima

· Existem tipos e meios de comunicação

- Decidir qual forma de pessoal de segurança profissional, se houver, deve ser postado nas entradas e saídas. Os não profissionais não podem tomar essa decisão sozinhos. É melhor discutir os tipos e a quantidade de segurança com os profissionais. Eles também podem ajudá-lo a entender que os impedimentos podem criar novos gargalos e, portanto, novas vulnerabilidades.

-Monitorar mídias sociais. Indivíduos cheios de ódio tendem a querer compartilhar suas idéias com outras pessoas. Não é fácil nem barato monitorar as redes sociais, mas identificar essas pessoas pode salvar muitas vidas.

-Crie ambientes onde as pessoas não tenham medo de dizer algo se virem algo. A afirmação: “veja algo; diga algo ”só funciona se as pessoas não tiverem medo de relatar um comportamento anti-social ou perigoso. Com muita frequência, ficamos sabendo que vizinhos e colegas suspeitaram que algo não estava certo, mas, por medo de ser rotulado de “fanático”, optou por permanecer em silêncio. É imperativo que desenvolvamos um equilíbrio entre uma sociedade que permite a privacidade e as liberdades básicas e uma que controla aqueles que podem prejudicar fisicamente os outros.

-Pressione as redes sociais e os políticos para que parem de usar discurso odioso e desistam da desumanização. Mídias como Facebook e Twitter têm a responsabilidade social de monitorar o que postam. Da mesma forma, nossa acalorada atmosfera política precisa ser resfriada. Devemos insistir que os jornalistas voltem a ser jornalistas em vez de propagandistas de sua posição política preferida. A política não deve ser uma justa, mas sim um diálogo aberto e honesto, enquadrado no respeito mútuo.

Esteja ciente de que o material acima é enviado como sugestões e conselhos gerais. Consulte um especialista em segurança para suas necessidades específicas.

Imprimir amigável, PDF e e-mail

Sobre o autor

Dr. Peter E. Tarlow

O Dr. Peter E. Tarlow é um palestrante renomado mundialmente e especialista no impacto do crime e do terrorismo na indústria do turismo, gerenciamento de riscos de eventos e turismo e turismo e desenvolvimento econômico. Desde 1990, Tarlow tem ajudado a comunidade do turismo em questões como segurança em viagens, desenvolvimento econômico, marketing criativo e pensamento criativo.

Como um conhecido autor no campo da segurança do turismo, Tarlow é um autor colaborador de vários livros sobre segurança do turismo e publica vários artigos de pesquisa acadêmica e aplicada sobre questões de segurança, incluindo artigos publicados no The Futurist, no Journal of Travel Research e Gerenciamento de segurança. A ampla gama de artigos profissionais e acadêmicos de Tarlow inclui artigos sobre assuntos como: “turismo negro”, teorias do terrorismo e desenvolvimento econômico por meio do turismo, religião e terrorismo e turismo de cruzeiros. Tarlow também escreve e publica o popular boletim de turismo online, Tourism Tidbits, lido por milhares de profissionais de turismo e viagens ao redor do mundo em suas edições em inglês, espanhol e português.

https://safertourism.com/